30 de dezembro de 2007

Ferrão vence e está na final!

Saudações Corais!

Para quem acreditou no Ferrão e foi na tarde do último sábado ao Ginásio Aécio de Borba não decepciou-se, pelo contrário, saiu muito mais fortalecido e orgulhoso.

Por conta da derrota na última partida, FerroFutsal entrou em quadra precisando da vitória simples no tempo regulamentar para possibilitar a prorrogação onde aí necessitaria apenas do empate diante da equipe do Espaço Jovem do ABC do João XXIII. Contudo, o Ferrão fez muito mais que isso! Com uma equipe mais coesa e comedida, além de tudo comprometida, garantiu um primeiro tempo sem gols, já que no segundo eles viriam pra arrasar o adversário. Logo do início a bateria coral fez 3 gols, em seguida aumentou pra 5 e a medida que o adversário fez 3 gols o Ferrão fechou o tempo normal com o placar de 3x6 (o mando era do Espaço Jovem). Na prorrogação a equipe começou fazendo um, dois, e medida que o Espaço Jovem fez um gol a equipe coral definiu o placar com mais um gol, garantindo com uma vitória triunfante. Assim o Ferro está garantido na final do Campeonato Cearense Sub-20 de Futsal.

Tudo isso se deve ao comprometimento dos jogadores, que antes de entrarem em quadra fizeram um pacto pra lutar até o último minuto pela vitória e acima de tudo honrar a camisa coral a qual vestiam com tanto orgulho quanto nós, torcedores, que mais uma vez e com um pouco mais de gente nas arquibancadas apoiando o Clube.

A maioria destes camaradas não são jogadores do Ferro de agora, são jovens que vem de categorias anteriores, sub-15, 16, 18, enfim e por certo hão de levar o Ferroviário a uma categoria profissional com o grande Abelardo e sua comissão técnica. Quem viu esses camaradas pedindo grana nos jogos do time de futebol pra participar de torneios sabe de sua disposição - que não é pra qualquer playboyzinho não!

Em breve passaremos a convocação para os jogos da final, onde é imprescindível que a torcida coral vá dá o devido valor a esses camaradas!

ULTRAS RESISTÊNCIA CORAL # AINDA QUE NOS ESPERE A VITÓRIA OU A DERROTA, APOIAR O FERRÃO É O NOSSO DEVER!

Mortes dentro e fora dos campos de futebol marcam o ano de 2007

As mortes dos jogadores de futebol Antonio Puerta, do Sevilla, e de Cléber, do Bahia, além dos falecimentos de torcedores na Europa e no Brasil por causa da violência, foram os acontecimentos que mais comoveram o esporte neste ano de 2007.

Cléberson Frolich, de 31 anos, sofreu um primeiro acidente vascular cerebral (AVC) no dia 22 de outubro, após uma partida entre Bahia e ABC, em Natal. Quinze dias depois, teve outro AVC. Após o terceiro derrame cerebral, no último dia 19, o jogador teve sua morte cerebral declarada no dia seguinte.

Já o espanhol Puerta, 22 anos, desmaiou durante o jogo entre Sevilla e Getafe, disputado em 25 de agosto, e foi internado em estado grave na UTI do hospital Virgen del Rocio, em Sevilha, após ter sofrido várias paradas cardiorrespiratórias.

Pouco mais de 48 horas depois, foi divulgada a notícia de sua morte em decorrência de encefalopatia e de uma falência múltipla dos órgãos proveniente de uma parada cardíaca.

O jogador paraguaio Sixto Rojas, 26 anos, morreu em um hospital de Assunção após sofrer uma parada cardíaca durante um treino do clube Atlético Trinidense.

Os atacantes brasileiros Breno, do Brasiliense, e Alemão, do Palmeiras, também faleceram neste ano, ambos vítimas de acidentes automobilísticos. Breno tinha 19 anos, e Alemão, 23.

As mortes violentas fora de campo na Europa e no Brasil também chamaram bastante a atenção. Em fevereiro, o policial italiano Filippo Raciti foi morto após ter sido atingido no rosto por um explosivo usado na briga entre as torcidas de Catania e Palermo.

No final de março, um torcedor grego foi esfaqueado até a morte durante um confronto entre as torcidas de Panathinaikos e Olimpiakos antes de um jogo de vôlei em Atenas, o que levou o Governo do país a suspender todas as partidas de esportes coletivos no país por duas semanas.

Mais recentemente, em novembro, um policial matou acidentalmente um torcedor da Lazio perto da cidade italiana de Arezzo, quando tentava evitar uma briga entre torcedores.

No mesmo mês, Germano Soares da Silva, 44 anos, torcedor do Flamengo, foi espancado por torcedores do Vasco durante uma briga entre as duas torcidas no Centro do Rio de Janeiro, antes de um jogo de basquete entre os dois times, morrendo alguns dias depois.

O futebol também teve perdas este ano, como a do inglês Alan Ball, campeão do mundo em 1966, vítima de um ataque cardíaco aos 61 anos.

O automobilismo brasileiro também sofreu um grande baque, com a morte do piloto da Stock Car Light Rafael Sperafico, vítima instantânea de um grave acidente na pista de Interlagos.

O carro de Rafael foi atingido no lado onde o piloto estava por Renato Russo, que vinha logo atrás e não teve tempo de desviar.

Fora do país, o ex-campeão mundial de rali Colin McRae, seu filho e outras duas pessoas faleceram em um acidente de helicóptero ocorrido na Escócia.

O ex-piloto de MotoGP japonês Norick Abe, de 32 anos, morreu em decorrência de um acidente de trânsito ao bater sua motocicleta contra um caminhão que realizava uma conversão proibida em Tóquio.

O Rali Dacar deste ano vitimou o piloto sul-africano Elmer Symonds, que teve um acidente com sua moto entre as cidades marroquinas de Er Rachidia e Ouarzazate, e o francês Eric Aubijoux, que teve um ataque cardíaco em uma etapa realizada no Senegal.

Nos esportes olímpicos, a grande perda no Brasil foi a da nadadora Maria Lenk, que tinha 92 anos e morreu após sofrer um mal súbito enquanto nadava no Rio de Janeiro.

Maria Lenk foi a primeira brasileira a participar dos Jogos Olímpicos, em Los Angeles (1932).

O ex-jogador de vôlei Luiz Cláudio Alves da Silva, o Lilico, de 30 anos, também morreu neste ano em decorrência de um AVC. Ele se tornou conhecido por ter sido um dos primeiros atletas brasileiros a assumir sua homossexualidade.

O mundo também sofreu com as perdas do americano Al Oerter, 71 anos, ganhador de quatro medalhas de ouro olímpicas no lançamento de disco; da russa Yelena Romanova, medalha de ouro nos 3 mil metros rasos nos Jogos Olímpicos de Barcelona; e do ginasta japonês Masao Takemoto, de 87 anos, ganhador de sete medalhas olímpicas.

Fonte: Yahoo! Esportes

29 de dezembro de 2007

Argentina cria sistema digital contra violência nos estádios

A Associação de Futebol Argentino (AFA) apresentou na quinta-feira (27/12) um sistema de padrão digital, com o qual tenta avançar na luta contra a violência nos estádios.

O sistema será testado no próximo torneio Clausura em 2008, num estádio ainda a ser escolhido, e, de acordo com os resultados, entrará em vigor a partir de 2009.

A idéia do projeto é tirar dos estádios os torcedores violentos, apesar de o presidente da AFA, Julio Grondona, ter dito que os problemas no futebol têm uma raiz social.

"A violência não é um problema do futebol, e sim da sociedade. Esta iniciativa é para que as famílias voltem aos estádios", declarou Grondona.

"Nem as câmeras, nem os ingressos magnéticos, nem os caros operativos de segurança que pagamos, funcionaram. Nada foi suficiente", acrescentou Grondona, justificando a aplicação do novo sistema.

Os responsáveis pelo desenvolvimento do sistema explicaram que o plano compreende o registro total de quem for a uma partida de futebol --incluindo sua fotografia--, a eliminação dos ingressos, e novos sistemas de entrada, com controle das impressões digitais.

Todos os dados ficarão registrados na secretaria de segurança esportiva.

A violência nos campos de futebol da Argentina levou a AFA e as entidades de segurança esportiva a proibir, desde o ano passado, a presença de público visitante em jogos de todas as categorias de acesso, e a limitá-lo nos de primeira divisão.

Fonte: Texto de Luis Ampuero
Agência Reuters

28 de dezembro de 2007

Jogos FerroFutsal!

Saudações Corais!

A equipe de futsal do Ferroviário A.C foi derrotada no 1° jogo das semifinais do Campeonato Cearense Sub-20de Futsal nesta última quinta-feira, 27/12, pelo Espaço Jovem no Ginásio Aécio de Borba pelo placar de 4x7. A equipe entrou em quadra muito afoita e logo no 1° minuto, num contra-ataque, a equipe do Espaço Jovem do Bairro João XXIII abriu o placar. Daí em diante o Ferro foi pra cima e logo conseguiu o empate, porém, ainda de forma muito afoita o clube sempre era pego no contra-ataque e acabou tomando uma série de gols em troca de passes errados. Quando o placar ficou em 1x4 a pequena torcida coral presente empurrou o time pra cima do adversário, fazendo com que saísse 2 gols em menos de 5 minutos, contudo, novamente, nos vacilos de jogadas erradas, jogando com o goleiro linha, o Espaço Jovem definiu o placar.

Nada está perdido ainda! Neste sábado, 29/12, às 17 horas, o FerroFutsal volta a enfrentar o Espaço Jovem no Ginásio Aécio de Borba, no Benfica. Basta uma vitória simples do Ferrão por 1 gol de diferença, que a decisão irá para a prorrogação, onde o Ferro joga pelo empate - fruto da melhor campanha de nossa equipe, que jogava por dois empates, caso não houvesse perdido a primeira.

Bem, convocamos toda a torcida coral - a despeito dos críticos de plantão que só querem implantar desempolgamento entre nós - a irmos fortalecer nosso time, que tem grandes possibilidades de conquistar mais um título pra esquadra coral. Vamos fortalecer nossas categorias amadoras! Se nosso time profissional tem dificuldades e necessidades latentes imaginem nossos amadores que, na maioria das vezes, passam batido ante nossa própria torcida coral.
Nos vemos lá!

ULTRAS RESISTÊNCIA CORAL #
DEDICAÇÃO E LEALDADE AO NOSSO TIME OPERÁRIO!

UNE-TE À RESISTÊNCIA, A MAIS FERRENHA TORCIDA CORAL!

Mais infos:
http://www.ferrao.com.br/
http://br.geocities.com/resistenciacoral/

27 de dezembro de 2007

Político alemão critica contratação de Breno

O presidente do Parlamento Alemão, Norbert Lammert, fez críticas indiretas à contratação do zagueiro Breno, ex-São Paulo, pelo Bayern de Munique. O político se referiu aos excessos gastados pelos clubes locais. Breno custou 14 milhões de euros (cerca de R$ 35 milhões).

- Sou contrário a esses excessos constantes e substanciais de nossos esportes. Se o clube mais rico da Bundesliga compra um jovem brasileiro por 14 milhões de euros e lhe oferece um salário que a maior parte dos trabalhadores não poderão ganhar em toda sua vida, tudo fica banal - escreveu Lammert em sua coluna no jornal "Bild".

O político repete um discurso que tem vindo à tona constantemente no país. Recentemente, Frank Bsirske, presidente de uma das maiores centrais sindicais do país, já havia levantado a questão. No mesmo tom, o presidente da federação das indústrias, Juergen Thumann, pediu que o governo limitasse a quantia destinada a contratações como a de Breno.

Fonte: LANCENET!

Estádio Presidente Vargas passa por reformas

Tragédia da Fonte Nova preocupa administradores do estádio

Após a tragédia da Fonte Nova, onde sete pessoas morreram em um desabamento de parte das arquibancadas do estádio, alguns administradores de campos de futebol brasileiro pediram novas vistorias. Com o estádio Presidente Vargas, de Fortaleza, não foi diferente e, segundo os laudos dos especialistas, terá que passar por reformas estruturais.
A capacidade do estádio, um dos principais do Ceará, será reduzida dos atuais 19.800 para 10 mil lugares durante os primeiros meses de 2008. A prefeitura irá financiar as obras do estádio, fundado em 1941.
No primeiro relatório, elaborado por membros do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Ceará (Crea-CE), foi pedido a interdição total do estádio para que as obras de reestruturação acontecessem. Um novo laudo, preparado por engenheiros da prefeitura de Fortaleza indicou que não existe o risco de desabamentos iminentes e por isso a não interdição total do campo.
Os responsáveis pelo relatório sugeriram a redução em 50% da capacidade do estádio, para a realização de testes e reformas, mas sem prejudicar a realização dos jogos do Campeonato Cearense.

O estadual começa no dia 5 de janeiro e o estádio do Castelão, maior estádio do Ceará, estará recebendo eventos culturais até o dia 27 do mesmo mês. Até lá, segundo a tabela do Campeonato Cearense, 11 partidas serão realizadas no estádio Presidente Vargas.

Fonte: Cidade do Futebol

26 de dezembro de 2007

Polícia religiosa saudita intensifica ações contra camisas do Barcelona com cruz

A Polícia religiosa saudita intensificou sua pressão para que não sejam vendidas camisas do Barcelona com a cruz de São Jorge, símbolo que, segundo alguns países islâmicos, fere os sentimentos dos muçulmanos.

A Agência Efe comprovou que vários vendedores sauditas evitam exibir camisas com o escudo original do Barcelona por causa do temor de que sejam confiscadas por membros da Polícia religiosa, a Mutawa, cujo nome oficial é "Comissão para a Promoção da Virtude e da Prevenção do Vício".

Fontes da Mutawa afirmam que a cruz de São Jorge "é uma provocação contra os sentimentos dos muçulmanos, pois os recorda das cruzadas".

Sadek Jan, um dos vendedores de roupas esportivas de Riad, lamentou que nos últimos meses tenha aumentado o número de membros da instituição contrários à venda da camisa da equipe catalã.

Porém, Jan disse que muitos rejeitam comprar as camisas sem a cruz de São Jorge que atualmente circularam no país islâmico.

Vários cidadãos sauditas consultados pela Efe rejeitaram as pressões dos religiosos sauditas, e alguns deles a qualificaram de "injustas".

"Por que se concentrar em um detalhe que não é importante. Será que acham que em um jogo de futebol os espectadores podem notar a existência de uma cruz na camisa", perguntou Yaser al Barkan, um saudita de 32 anos.

A Polícia religiosa saudita tem cerca de 5 mil membros que patrulham os locais públicos para vigiar se os cidadãos estão cumprindo as estritas normas sociais.

Fonte: Agência EFE

Tradição e força coral resistem ao tempo e aos prognósticos dos profetas do mal

Em todos os tempos, em todos os países, o homem procurou sempre descobrir o futuro e adivinhar o que a vida lhe reservava. Os gregos davam o nome de Pitonisas a todas as mulheres que tinham a profissão de adivinhas. O futebol cearense, como não poderia deixar de ser, é repleto de profetas do mal, que com seus prognósticos suspeitos acabam sendo ridicularizados e não levados à sério.

O prognóstico mais divulgado ao longo do tempo dá conta da extinção do Ferroviário Atlético Clube. Não rara é a rápida associação que as pitonisas locais - incompetentes de ofício - ousam em fazer com o fim do Maguari, saudosa agremiação cearense dos anos 1940, mostrando total desconhecimento da própria história deste futebol cheio de mazelas e personagens infames.

Todos os dias, o torcedor coral escuta, lê e assiste um pouco destas pitonisas em ação. O caso mais conhecido remete ao ano de 1961, quando o Jornal O Povo elaborou uma ampla matéria publicada em três edições intitulada "Debacle de um time de futebol", que previa o fim do Ferroviário para a década seguinte. A matéria ousava até em dizer que o clube nunca mais testemunharia o surgimento de novos ídolos.

Depois disso, o Ferroviário conheceu Coca Cola, Edmar, Amilton Melo, Jacinto, Luisinho das Arábias, Marcelo Veiga, Acássio, para citar apenas sete jogadores que entraram para a sua gloriosa história. Com eles, vieram os títulos de 68, 70, 79, 88 e a inédita conquista do bi-campeonato 94/95. Velhas e novas gerações continuaram vivenciando a doce sensação de ver o Ferrão em ação. Pitonisas se foram. Pitonisas vão e vêm. Eles estão nos jornais, no rádio, na TV e nas arquibancadas. Mais forte do que tudo e todos, o Ferrão marcha célere para o seu 75° aniversário em meio ao surgimento de novos torcedores e dirigentes. Por que? Porque o Ferrão é eterno.

25 de dezembro de 2007

Maradona: "Estou com o povo do Irã"

O astro argentino Diego Maradona expressou seu desejo de conhecer o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, depois de trocar sua camiseta de futebol com um diplomata daquele país, que lhe entregou um jarro de Isfahan.

Maradona recebeu a Mohshen Baharavand, encarregado de negócios do Irã, no sábado após o empate por 9 x 9 em um jogo da modalidade showbol entre Argentina e Brasil em Buenos Aires.

No encontro, o ex-capitão da seleção argentina mostrou disposição de conhecer o líder da república islâmica, o que foi revelado nesta segunda-feira.

"Com todo meu carinho para o povo do Irã", dizia a legenda escrita por Maradona na camiseta que será exposta no Museu de Presentes do Ministério de Relações Exteriores do Irã.

O astro argentino, que desde sempre mostra forte oposição à política do presidente norte-americano, George W. Bush, é um fervoroso admirador de Fidel Castro e Hugo Chávez, dois históricos inimigos de Washington.

"Já conheci Fidel e Chávez (...) agora me falta conhecer o seu presidente. Quero conhecer Ahmadinejad", disse Maradona.

"Estou com o povo do Irã, de verdade digo isso com todo o meu coração", acrescentou ele depois de receber o jarro.

Fonte: Agência Reuters

Flamengo afirma que não joga acima de 2.750 metros de altitude

Caso o Cienciano, do Peru, avance na Pré-Libertadores, clube rubro-negro pode ter que jogar 3.400m

Os grupos da Libertadores 2008 foram anunciados nesta semana e já
começam a gerar polêmica, pelo menos para a diretoria do Flamengo. A equipe está no grupo 4, ao lado de Nacional-URU, Coronel Bolognesi-PER e o vencedor do confronto entre Montevideo Wanderers-URU e Cienciano-PER. Somente a possibilidade do time peruano seguir na competição e mandar seus jogos em Cuzco, que fica a 3.400m acima do nível do mar, já causa a revolta dos dirigentes flamenguistas.

O vice-presidente de futebol do
Flamengo, Kléber Leite, afirmou que caso o Cienciano vença seu jogo de pré-Libertadores e confirme a realização da partida em Cuzco, o clube carioca não viaja para o Peru.

O assunto está encerrado. O
Flamengo não vai jogar em altitude acima dos 2.750m. Temos armas poderosas, como um estudo da comissão médica da Fifa e o apoio do presidente da CBF, Ricardo Teixeira”, afirma Kleber Leite.

O laudo dos médicos da Fifa,
citado pelo vice-presidente de futebol do time rubro-negro, condena a realização de partidas acima de 2.750m. A Fifa atendeu a sugestão, porém divulgou um comunicado pouco esclarecedor, que dá a entender que essa regra valeria apenas para jogos de seleções.

O secretário-geral da Conmebol, Eduardo de Luca, já antecipou que a entidade não deve vetar jogos acima de
2.750m. O plano da entidade ainda engloba liberar que os jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo também possam ocorrer em altitudes elevadas.

Neste ano, o Flamengo enfrentou o Real Potosí em Potosí, na Bolívia, a quase quatro mil metros de altura. Vários jogadores rubro-negros passaram mal durante o empate em 2 a 2, e pouco depois dirigentes do Flamengo anunciaram que o time não jogaria mais na altitude.


Fonte: Cidade do Futebol

24 de dezembro de 2007

Técnico sai e jogadores fazem greve em Portugal

Demissão de Ricardo Moura foi o estopim para uma crise no Abrantes Futebol Clube

A saída do técnico Ricardo Moura agravou a crise do Abrantes Futebol Clube. Revoltados com a decisão do comandante, que pediu demissão nesta semana, os jogadores da equipe portuguesa resolveram iniciar uma greve.
Os salários do elenco estão atrasados desde agosto deste ano e a maioria do elenco vinha reclamando por conta disso. Depois da saída de Moura, os jogadores resolveram explicitar a crise entre atletas e diretoria.

Os salários estão atrasados, a situação está ruim e não há perspectiva de melhora. Isso mexe com o ânimo de toda a equipe e não temos o que fazer”, disse um comunicado assinado pelos quatro principais líderes do elenco, Santana, Jouber, Marçal e Bruno Matos.

A diretoria se comprometeu a pagar ao menos um mês dos salários atrasados até a próxima quarta-feira, mas isso não encerra as cobranças dos jogadores. Eles querem que a cúpula do Abrantes assine a liberação de negociação com outras equipes.

O clube não dá a carta de desvinculação para os jogadores. Há vários jogadores que estão insatisfeitos e já pediram para serem liberados”, continuou o comunicado.

Fonte: Cidade do Futebol

22 de dezembro de 2007

Morales apelará à ONU para defender a prática do futebol na altitude

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou na última quarta-feira (19/12) que apelará à ONU caso a Fifa e as federações regionais de futebol não atendam seu pedido "clamoroso" de respeitar a prática do esporte na altitude.

"Caso não entendam, nos veremos obrigados a apelar a entidades internacionais que busquem igualdade e justiça", declarou Morales ao citar entidades como a ONU e a Organização dos Estados Americanos (OEA) depois de se reunir em La Paz com dirigentes de vários clubes da Bolívia.

"Não queremos chegar a esta situação. Sinto que não vamos chegar a esta situação", disse o líder boliviano ao expressar sua confiança no compromisso "sério e responsável" da Fifa e da Confederação Sul-Americana de Futebol (CSF) com o esporte na altitude.

No último fim de semana, a Fifa decidiu proibir a prática do futebol internacional em estádios que fiquem a mais de 2.750 metros de altura "sem a aclimatação necessária" para os jogadores.

Esta decisão da principal entidade do futebol mundial deixaria de fora na Bolívia cidades como La Paz, que fica a quase 3.600 metros acima do nível do mar.

Na última segunda, Morales e seu colega brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, assinaram em La Paz uma declaração conjunta em defesa do "caráter universal do futebol e pelo direito de praticar o esporte onde se nasce e se vive".

O líder boliviano promove há alguns meses uma campanha a favor do esporte na altitude e contra a decisão da Fifa de proibir jogos internacionais a mais de 3.000 metros acima do nível do mar.

Posteriormente, a entidade diminuiu esta proibição para 2.500 metros, após o protesto de vários países sul-americanos.

Então também foi autorizado que a Bolívia jogasse, pela última vez, as Eliminatórias para a Copa do Mundo no estádio Hernando Siles de La Paz, que fica a 3.577 metros de altitude.

Fonte: Agência EFE

Itália institui aperto de mão e discute pós-jogo

País busca alternativas para consolidar a prática do fair play entre os atletas no Campeonato Italiano

Lema da Fifa há muitos anos, a prática do jogo limpo ganhará atenção especial na Itália a partir da próxima temporada. A Liga Italiana de Futebol anunciou nesta semana que vai fazer mudanças com o intuito de valorizar o fair play no país.

A primeira iniciativa, já definida, é a instituição do aperto de mãos depois dos jogos do Campeonato Italiano. Como forma de demonstrar cordialidade, os atletas das equipes envolvidas precisarão se cumprimentar como é feito em partidas de vôlei.

A Liga ainda pretende discutir, em fórum marcado para o início do próximo ano, a criação de um “tempo extra” para o futebol. A idéia é estabelecer períodos posteriores às partidas para que os jogadores se encontrem e conversem.

Perdemos por 7 a 1 para o Manchester na temporada passada. Mas depois do jogo, o Alex Ferguson [treinador da equipe inglesa] me chamou ao escritório dele e conversamos sobre a partida. Também falamos sobre preparação e sobre futebol em geral. Acho que esse contato é fundamental para a evolução do esporte”, disse Luciano Spalletti, técnico da Roma.

Inicialmente, o modelo que a Liga Italiana pretende colocar em pauta para o pós-jogo no país é o que é feito no rúgbi – depois das partidas, atletas e árbitros se encontram para uma confraternização. Tudo depende, contudo, da aprovação das equipes italianas.

Fonte: Cidade do Futebol

21 de dezembro de 2007

Governo Lula mantém transposição e coloca vida de dom Cappio em perigo

O fim da greve de fome do bispo de Barra (BA), dom Luiz Flávio Cappio, foi anunciado na noite de ontem, em Sobradinho (BA), na presença de cerca de mil camponeses, pescadores, inídgenas, rebeirinhos e populares da região. No município, o religioso cumpriu um retiro de 24 dias sem se alimentar. O encerramento do protesto foi confirmado em carta, lida Capela de São Francisco.
O frei passou a noite de quarta-feira na UTI do Hospital Memorial, em Petrolina (PE), para onde foi removido após desmaiar e passar 30 minutos inconsciente. O desmaio ocorreu momentos depois de o religioso saber que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a retomada das obras da transposição, anteontem. No hospital, dom Cappio recebeu soro e medicamentos, mas não se alimentou, apesar das recomendações do médico, frei Klaus Finkam, da confiança dele, e dos profissionais do Hospital Memorial orientando-o a suspender o protesto.
Para abrir o diálogo e vencer a intransigência do governo, o frei apresentou, no dia anterior, um documento no qual relacionava oito condições para o fim da greve de fome, entre elas a suspensão das obras de transposição por 60 dias. O frei exigia, ainda, a retirada do exército da região e a revitalização da bacia do rio São Francisco. Com a intransigência do governo que, além de trair e descumprir o acordo realizado com o bispo há dois anos, recusava-se a parar as obras apesar da greve de fome, dom Cappio tinha esperanças de que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinasse a suspensão da transposição. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, já havia expedido uma liminar interrompendo as obras. O STF, porém, analisou o pedido de suspensão das obras apresentado pelo próprio procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, mas manteve a continuidade da transposição. Apesar dos reveses da Justiça, a mobilização em apoio a Cappio se amplia. Vários manifestantes de diversos movimentos sociais e populares foram a Brasília protestar contra a transposição e em apoio ao frei. Cerca de mil ativistas bloquearam a ponte que liga Juazeiro a Petrolina em apoio ao protesto do bispo.
Com ou sem greve de fome, é fundamental, agora, fazer avançar a mobilização contra a transposição, unificando, nas regiões, todos os setores combativos contra o governo.

"O lugar dos socialistas é, portanto, ao lado de D. Luiz Cappio. A grandeza do seu sacrifício deve servir para levantar para a luta todos nós."

TV pública pode 'expropriar' eventos esportivos

O relator da medida provisória que cria a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), deputado Walter Pinheiro (PT-BA), quer obrigar as emissoras privadas a ceder gratuitamente à TV Brasil os direitos de transmissão de eventos esportivos com equipe representando o País cuja exclusividade tenham comprado, mas não queiram exibir. O objetivo da proposta é reprimir uma prática relativamente comum entre as emissoras brasileiras: adquirir a transmissão de competições para impedir que os concorrentes o façam, prevenindo-se contra a perda de audiência. Pela proposta, se não quiser ceder o direito à emissora pública, a TV privada terá de fazer a transmissão.“Transmissão esportiva é um drama no Brasil”, disse Pinheiro. “Os caras compram os campeonatos e não passam. Nesse caso, seriam obrigados a passar à TV Brasil. Ou exibem ou passam para a TV pública. Compram para o boicote deles, mas têm de entregar para o povo ver.”
O dispositivo só poderia ser invocado em competições com participação de seleções esportivas do Brasil. Outro ponto que Pinheiro pretende incluir em seu projeto de conversão da MP 398 e poderá atingir as emissoras privadas é a obrigatoriedade de inclusão da TV Brasil em todos os pacotes de TV a cabo. “As TVs por assinatura terão de carregar a TV pública.”

A Rede Globo de Televisão, por meio da Central Globo de Comunicação, informou oficialmente que não se manifestaria sobre o assunto, porque ainda não havia decisão oficial. A Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) alegou que seu presidente, Alexandre Annenberg, não estava disponível para entrevistas.Cauteloso, o presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Daniel Pimentel Slaviero, ressaltou que será necessário esperar para saber qual será exatamente a redação a ser dada ao dispositivo que quebra a exclusividade da transmissão esportiva. Disse, porém que, se for como o parlamentar antecipou ao Estado, a entidade será contrária à medida.

Fonte: Espaço Público

20 de dezembro de 2007

Altitude na rota dos times brasileiros

Flamengo, Fluminense e Santos terão que jogar em cidades a mais de 2.750 metros do nível do mar

O "Diário ABC", um dos principais jornais paraguaios, publicou na manhã desta quinta-feira que a Confederação Sul-Americana de Futebol vai pedir oficialmente à Fifa para rever a resolução que proíbe jogos internacionais acima de 2.750m. Segundo o jornal, o secretário-geral da CSF, Eduardo Deluca, garante que a resolução não vale para os jogos da Taça Libertadores da América e disse que o objetivo é que a medida também não afete as eliminatórias para a Copa de 2010, que já estão sendo disputadas.
Segundo o médico que faz o planejamento da CBF (para jogos na altitude) . "Este não será um problema" - garante Roberto Horcades.

Estádio Atahualpa, em Quito: Flu terá que jogar a 2.850 metros do nível do mar

Conmebol apóia jogos em cidades de altitude proibida pela Fifa

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) reafirmou hoje o seu apoio à disputa das Eliminatórias da Copa do Mundo em cidades de grande altitude, apesar do novo veto da Fifa a estádios acima de 2.750 metros sobre o nível do mar.

O argentino Julio Grondona, membro do Comitê Executivo da Conmebol, disse hoje após a reunião das autoridades da entidade, em Assunção, que "fará o possível" para que a Fifa permita os jogos restantes das Eliminatórias em La Paz e em outras cidades do Peru e Equador.

"Temos que dizer às autoridades da Fifa que solucionem o problema. Caso contrário, não poderemos continuar com as Eliminatórias", disse Grondona.

O secretário-geral da Confederação, o também argentino Eduardo Deluca, explicou que enviou uma carta à Fifa. "Como não é um torneio da Confederação, esperemos que a entidade considere o pedido", disse.

"Os dez países da Conmebol aceitam que a Bolívia continue disputando as Eliminatórias jogando em La Paz", enfatizou.

Deluca acrescentou que não haverá nenhuma restrição para os jogos da Copa Libertadores de 2008.

A Fifa modificou no dia 15, em Tóquio, a sua resolução sobre os jogos em grandes altitudes. pela nova norma, estão proibidas as partidas internacionais a mais de 2.750 metros acima do nível do mar "sem a aclimatação necessária" dos jogadores.

Bolívia diz que é necessário combater veto da Fifa a jogos na altitude

O Governo da Bolívia disse terça-feira (18/12) que é necessário ser "mais agressivo" no combate ao veto da Fifa à prática do futebol na altitude, ao apelar para a solidariedade internacional para pedir à entidade que anule esta medida que chamou de "política".

"Temos que ser mais agressivos", afirmou o vice-ministro de Esportes da Bolívia, o ex-jogador Milton Melgar, que disse que até agora "não serviram de nada" as negociações realizadas pelo Governo presidido por Evo Morales.

"Está se vulnerando o direito dos bolivianos de praticarem esportes onde vivem", declarou Melgar em uma entrevista à emissora "ATB".

No último fim de semana, a Fifa decidiu proibir a prática de jogos internacionais em estádios que fiquem acima dos 2.750 metros "sem a aclimatação necessária" para os jogadores.

Esta determinação impediria a realização de jogos na Bolívia em cidades como La Paz, que fica a quase 3.600 metros acima do nível do mar.

19 de dezembro de 2007

Clubes piauienses lideram boicote à Série C do Brasileiro

O presidente da Federação Piauiense de Futebol, Lula Ferreira, propôs que os clubes piauienses se neguem a disputar a Série C 2008, caso a CBF não volte atrás sobre o corte da ajuda de custo para ao menos um representante de cada estado do Brasil durante a competição nacional.

Segundo o discurso de Lula Ferreira, reforçado por um longo discurso do prefeito de Barras, Manim Rego, a ajuda de custo é essencial para os clubes que não fazem parte do "Clube dos 13" ou da "FBA", entidades que organizam os times das Séries A e B. Na visão dos dirigentes piauienses, seria impossível que estes clubes conseguissem realizar um campeonato de sucesso sem a verba da CBF devido aos altos custos de deslocamento, principalmente.

Durante uma reunião na sede da Federação Piauiense, o representante do River no arbitral, Cecílio Soares, relatou que os clubes piauienses devem se unir e fazer pressão para que a CBF volte atrás, mas que o River não abrirá mão em disputar a Série C sobre nenhuma hipótese. O presidente da Sociedade Esportiva de Picos teve o mesmo posicionamento de Cecílio Soares. Os demais clubes afirmaram que farão boicote caso a CBF mantenha sua posição.

No futebol cearense, a FCF ainda não se manifestou sobre o assunto. Por outro lado, urge cada vez mais a necessidade de um calendário justo e inteligente que coloque todas as agremiações em atividade durante o ano inteiro. O Ferroviário é um dos clubes mais prejudicados, ficando, em média, apenas seis meses em atividade por ano. Este ano, o clube está sem jogos oficiais desde o dia 08 de Abril. Isto tem se verificado também em outros estados. Clubes tradicionais do futebol brasileiro começam a se rebelar contra esta situação. Basta!

Fonte: Site oficial do Ferrão

18 de dezembro de 2007

Após fim da CPMF, governo poupa banqueiros para impor arrocho a trabalhadores

Após a dura derrota que sofreu no Senado, o governo tenta se recompor e já anuncia a tática para compensar os R$ 40 bilhões que deixarão de ser arrecadados até 2011 com o fim da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). Logo após a votação, a fim de acalmar os mercados, o governo anunciou que a única parte do orçamento intocável seria a meta de superávit primário, a economia para pagar os juros da dívida pública.O ministério da Fazenda até cogitou a redução da meta de 3,8% do PIB de superávit. Porém Lula, pessoalmente, desautorizou qualquer redução no arrocho. “Não se mexe no superávit, foi uma ordem do presidente Lula”, chegou a afirmar o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

Governo mostra qual sua prioridade
Com os lucros dos banqueiros garantidos, o governo tampará o buraco deixado pelo imposto com cortes em investimentos sociais, como saúde e educação, além do corte do reajuste do salário mínimo e o rompimento com acordos que garantiriam reajustes a servidores públicos. Com isso, categorias que teriam reajuste, como os funcionários do Banco Central, da Polícia Federal, fiscais agropecuários, servidores do Ministério da Cultura, Incra, Advocacia Geral da União e os técnicos administrativos das universidades federais, amargarão mais um ano de arrocho. Até mesmo o PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), “menina dos olhos” do governo Lula e grande esperança para as eleições de 2011, deve sofrer cortes. Embora apenas 40% de toda a arrecadação da CPMF fossem realmente destinados à saúde, o governo afirma que a área será a grande afetada com o fim do imposto e já ameaça reduzir o repasse do SUS (Sistema Único de Saúde) a estados e municípios em 2008. A equipe econômica deve detalhar um projeto apontando os cortes e apresentá-lo esta semana a Lula. Além dos cortes, outros impostos deverão subir. As declarações do ministro da Fazenda, Guido Mantega, à imprensa sobre os cortes no orçamento causaram grande repercussão e obrigaram Lula a repreender o ministro em público. Lula, no entanto, não desmentiu Mantega nem afirmou de onde partiriam os recursos que cobrirão a arrecadação do imposto extinto.

Preparando as lutas em 2008
Governo e oposição de direita, após a votação da CPMF, têm um único objetivo em comum: cortar gastos e impor um arrocho ainda maior nas contas públicas em 2008. Com a DRU mantida, assim como o superávit, o arrocho cairá sob as costas dos trabalhadores. Saúde, educação e demais áreas sofrerão cortes, assim como o reajuste do salário mínimo. Com isso, as aposentadorias também ficam congeladas, sofrendo a defasagem da inflação. O funcionalismo também entrará na conta do “sacrifício”. O próximo ano será de muita luta.

Diego Cruz do Opinião Socialista.

17 de dezembro de 2007

Pré- temporada + Ferro Sub-14 campeão + tabela

Saudações corais!
O Ferroviário Atlético Clube está fazendo sua pré-temporada na cidade de Trairi na região litorânea, onde realizou amistoso neste último domingo, 16/12, contra a equipe local, a Associação Trairiense de Futebol - clube "parceiro" da nosso Tubarão da Barra - no Estádio Barrosão, com uma grande presença de torcedores, já que o "Peixe" tem muitos adeptos naquela região, assim como em todas as demais, pra conferir a vitória do Ferrão pelo placar de 3x1. A equipe já está praticamente toda composta, inclusive pelas recém chegadas contratações corais.

Enquanto a equipe profissional do Ferroviário embarcava para Trairi, a equipe Sub-14 do Ferro conquistava o título de campeão da Copa Mateus Aquino, no Estádio Thauzer Parente vencendo a equipe tida como "campeã antecipada", C.T Uniclinic, pelo placar de 4x3, mostrando que a autêntica escola de craques foi, é e será o Ferroviário A.C. André foi o destaque com 3 gols. Muito bom ver o "Panterinha", que ainda é dos "fraudinhas", fazendo a saudação, o "Chupinha", enfim, crias corais que torcem Ferrão e se orgulham da camisa. Parabéns pra nossa molecada, que só nos dá orgulho!

Por último, saiu uma nova tabela (a 6ª) onde nosso Clube estréia em casa no dia 05/01 (sábado) contra o Itapipoca E.C, na Vila Olímpica Elzir Cabral. Depois de muitas estréias fora de casa, finalmente teremos oportunidade de acompanhar nosso Clube na estréia e em nossa autêntica casa. Agora é segurar a barra e impedir que a FCF modifique novamente a tabela.

ULTRAS RESISTÊNCIA CORAL#MEU CORAÇÃO É DO TAMANHO DE UM TREM! FERROOLIGANS BARRA BRAVA!

Mais infos: www.ferrao.com.br # www.ferroviario.com.br
http://br.geocities.com/resistenciacoral/
http://resistenciacoral.blogspot.com/
Programa "Rádio Ferrão", todos os domingos de 21:30 às 23:30H, na Ceará Rádio Clube, AM 1200 - www.ceararadioclube.com.br

Política de sócios causa desertificação nos estádios portugueses

Imprensa lusa aponta fidelização como motivo da baixa média de público

A crescente política de benefícios para sócios de clubes de futebol está causando problemas em Portugal. De acordo com a edição desta segunda-feira do jornal luso Diário de Notícias, quem não se filia as agremiações acaba pagando até três vezes mais por um ingresso do que um sócio. Para especialistas ouvidos pela publicação, isso tem causado a desertificação dos estádios. Outro problema vivido pelas equipes é a crescente dependência da televisão aliada à pouca qualidade de grande parte dos jogos.

A Liga portuguesa acredita que os clubes precisam se adaptar à realidade econômica do país e crítica a o tabelamento de preços, que serve somente para evitar especulação nos finais de temporada. (...)

O torcedor comum aponta o preço dos ingressos como principal motivo para o baixo público. Porém, especialistas não concordam, uma vez que o ingresso mais barato custa cinco euros e o mais caro 75 euros.

O sócio de uma equipe portuguesa contribui em média com dez euros ao mês e paga pelas entradas três euros (em Leiria) ou em média dez, nos casos das grandes equipes. Já o torcedor comum não tem incentivo para ir ao estádio. Uma família de três pessoas que queria, por exemplo, assistir Benfica x Leiria, terá que desembolsar pelo menos 60 euros.

Equipes como Benfica, Sporting e Porto têm mais da metade de sua lotação já vendida através de carnês no início da temporada. No entanto, os dirigentes das grandes equipes não consideram os ingressos caros e acusam as pequenas de aumentaram significativamente o valor das entradas quando recebem uma equipe grande.

16 de dezembro de 2007

Tragédia da Fonte Nova

Praticamente não se fala mais no grave acidente que enlutou a Bahia. Como não se fala mais nada sobre os mensaleiros, o acidente da Tam, da Gol e tantos outros fatos lamentáveis. Eles causam comoção em um primeiro momento, mas somem da mídia rapidamente.

Laudos técnicos comprovam agora que o estádio baiano tem muitos problemas estruturais, falhas graves nas arquibancadas e nos seus subterrâneos. Curioso é que o governo baiano gastou uma fortuna numa reforma recente que não passou de uma maquiagem. Fizeram serviços para impressionar a galera e nem deram bola para o maior jogo: reforçar vigas e ferros, bases e colunas.

Mais curioso é ouvir o governador Jacques Vagner declarar que precisa implodir imediatamente o estádio para ser construída uma nova arena visando a Copa de 2014. Deu a impressão que querem a implosão para apagar provas e evitar qualquer laudo mais comprometedor e condenatório.

O buraco na arquibancada matou sete pessoas. E as autoridades sabem perfeitamente o tamanho do buraco em que estão metidas. A tendência é que tudo termine em pizza. Fúnebre pizza.

Fonte: Márcio Bernardes
BR Press

15 de dezembro de 2007

Crianças fazem greve de futebol na Itália por causa do fanatismo dos pais

Os jogadores de três equipes infantis de futebol do centro da Itália decidiram não disputar as partidas previstas para este fim de semana, em protesto contra seus pais, cujo fanatismo "estraga o prazer do jogo", informou nesta sexta-feira a agência de notícias Ansa.

Os crianças de 8 a 10 anos anunciaram sua intenção de não jogar durante uma festa anual de seus clubes, perto de Florença. Eles se apresentaram diante de seus pais com cartazes com inscrições do tipo "Não estraguem o jogo de seus filhos", e "Pais, parem de brigar e nos deixem jogar".

Os jogadores mirins, que participam do campeonato regional, também enviaram uma carta a um diretor local da Federação Italiana de Futebol e às cerca de 50 empresas que patrocinam a competição.

O futebol, o esporte mais popular na Itália, é regularmente marcado por confrontos violentos entre torcedores ou contra policiais.

Fonte: AFP

13 de dezembro de 2007

Iraque proíbe desertores de jogarem pela seleção

Três jogadores que se recusaram a regressar ao Iraque depois de um jogo das eliminatórias pré-olímpicas em novembro na Austrália foram proibidos de voltar à seleção do país, informou na quinta-feira a Associação Iraquiana de Futebol (AIF).

Naji Humoud, vice-presidente da AIF, disse à Reuters que a entidade buscará também formas de impedir que Ali Mansur, Ali Khadher e o promissor meia Ali Abbas assinem contrato com clubes estrangeiros.

"A Associação Iraquiana de Futebol decidiu numa reunião de dois dias banir permanentemente três jogadores que pediram asilo na Austrália, por causa da sua recusa em regressar com o time e concluir seu dever jogando a partida final com o Líbano", disse ele.

Humoud afirmou que o auxiliar técnico Sadi Toma, que também sumiu do hotel após a derrota de 2 x 0 para a Austrália, ficará proibido para sempre de treinar a seleção iraquiana e por dois anos de trabalhar para clubes locais.

A não classificação para a Olimpíada de Pequim-2008 foi uma enorme frustração para os "Leões da Mesopotâmia", que por pouco não conquistaram a medalha de bronze em Atenas-2004. Em meados deste ano, a seleção nacional provocou um raro momento de euforia no Iraque ao vencer a Copa Asiática.

(Reportagem de Wisam Mohammed)

Fonte: Yahoo! Esportes

12 de dezembro de 2007

Maradona quer fazer tatuagem de Hugo Chávez

O ex-jogador Diego Maradona disse na quarta-feira que pretende tatuar em si a imagem do presidente venezuelano, Hugo Chávez, que assim fará companhia aos retratos do líder cubano Fidel Castro e do guerrilheiro argentino Ernesto "Che" Guevara.

Maradona, maior ídolo da história do futebol argentino, passou alguns anos em Cuba, onde fez tratamento contra a dependência química. Ali estabeleceu amizade com o legendário revolucionário, que por sua vez é o mentor político de Chávez.

"Eu queria tatuar alguma coisa do Chávez, de verdade", disse Maradona em entrevista coletiva na província de Tucumán (norte).

Maradona já carrega uma portentosa imagem do Che no ombro direito e tem o rosto de Fidel tatuado na perna esquerda.

Fonte: Damián Wroclavsky
Reuters

11 de dezembro de 2007

Greve em obras de estádio para Copa de 2010 continua

Os operários responsáveis pela construção do estádio Nelspruit, uma das praças esportivas da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, continuam em greve, mas as negociações para encerrar a paralisação estão adiantadas, informou no dia 03/12 um sindicalista.

A greve teve início no dia 21 de novembro, mas os trabalhadores retomaram o serviço para ouvir as propostas dos diretores da obra. Na última quarta-feira, porém, tornaram a cruzar os braços.

"As negociações continuarão até que alcancemos um acordo", informou Onismus Serothwane, coordenador regional do Sindicato Nacional de Mineiros, ao qual está filiada grande parte dos operários.


Os grevistas reivindicam valores entre 90 euros e 200 euros para gastos com transportes.

Apesar dos inúmeros focos de greve nas obras das praças para a Copa de 2010, os organizadores do evento garantem que os estádios estarão prontos no prazo previsto.

Fonte: Uol Esporte

10 de dezembro de 2007

Hertha Berlim examina sua ligação com o nazismo

O clube de futebol da capital alemã encomendou um estudo sobre a influência nazista na época do Terceiro Reich. Os dirigentes consideram o resultado positivo.

"A equipe do Hertha não foi contagiada pelo nacional-socialismo", declarou o historiador Daniel Koerfer, da Universidade Livre de Berlim, contratado pelo clube da capital alemã para investigar seu passado.

"Não houve resistência contra o regime, mas também não foi registrado um entusiasmo fanático pelo partido e por seus líderes, além da admiração por Hitler até o início da Segunda Guerra Mundial", escreveu Koerfer em seu estudo de 70 páginas. "O Hertha não teve um posicionamento fortemente anti-semita, mas também não havia resistência contra as leis raciais decretadas pelo Estado do Terceiro Reich".

A grande maioria dos jogadores do Hertha não aderiu ao partido nazista e a maior parte dos 400 associados não teria simpatizado com o nazismo, aponta o estudo.

No entanto, os dirigentes do clube, incluindo Hans Pfeifer – que foi instalado como presidente para assegurar que a ideologia nazista fosse cumprida – ou já faziam parte do partido ou tornaram-se membros depois.

Sede no "Vermelho Wedding"

O estádio do clube situava-se no bairro operário de Wedding, ao norte de Berlim. "Isso deve ter nos protegido de sermos mais usados pelos nazistas", disse o presidente do clube, Bernd Schiphorst, também iniciador do estudo histórico.

No bairro que também era conhecido como "Vermelho Wedding" antes da Segunda Guerra Mundial, 75% da população votou a favor do Partido Comunista e dos social-democratas na eleição de 1932.

O presidente do Hertha salienta que o clube de futebol é freqüentemente associado à época nazista porque seu estádio foi construído por Albert Speer, arquiteto-chefe do regime de Hitler.

Histórias marcadas pelo nazismo

O jogador de maior sucesso na história do clube, Hanne Sobeck, que ajudou o Hertha a conquistar seus dois últimos títulos do campeonato alemão — em 1930 e 1932 — filiou-se ao partido nazista em 1940, mas manteve certa distância dele.

"Sobek protestou quando os membros judeus do clube foram proibidos de entrar no estádio, como resultado das políticas segregacionistas de Hitler e seus seguidores", escreveu Koerfer. "E não apenas isso, ele também continuou mantendo contato com os sócios judeus".

O médico judeu do time do Hertha foi deportado para o campo de concentração e extermínio de Auschwitz em 1943, onde foi assassinado.

"A copa 2014 é nossa!"


Sociedade, futebol e preconceitos

Atitude de discriminação costuma indicar desconhecimento pejorativo de alguém diferente de nós

É incrível como o mundo chamado civilizado entra no século 21 ainda tão cheio de preconceitos.
O preconceito, como o próprio nome indica, é um pré-conceito sobre determinados assuntos que não compreendemos muito bem, mas que temos opiniões aparentemente conclusivas sobre eles, fazendo-nos comportar de maneira injusta diante do outro, diante do ser humano que nos cerca.
É, enfim, uma atitude de discriminação que costuma indicar desconhecimento pejorativo de alguém diferente de nós nos aspectos social, racial ou sexual.
Há preconceitos de toda ordem. Para ficarmos nos principais, observamos preconceito à outra cor de pele (racismo), preconceito às outras religiões, preconceito em relação às mulheres (machismo), preconceito de classe social, preconceito contra pessoas de outras orientações sexuais (homossexuais e bissexuais) e até preconceito contra pessoas de outras nacionalidades.
Neste contexto é curioso observar que o futebol, como esporte mais popular do mundo, e que bem poderia ser um poderoso instrumento de educação, cultura e desenvolvimento, é paradoxalmente uma das instituições mais conservadoras e que concentra preconceitos.
Lembro-me que certa vez, como membro da comissão técnica de um famoso clube de futebol brasileiro, com o intuito de melhorar a performance e equilíbrio emocional da equipe, tentava introduzir técnicas alternativas de preparação dos atletas, por meio de aulas de yoga.
Eram aulas semanais e optativas, ou seja, nenhum atleta era obrigado a fazê-las. Mas aos poucos vários deles passaram a se interessar e se beneficiar dessa prática. E isso começava a incomodar alguns atletas mais preconceituosos.
Por se tratar de uma atividade bastante diferente dos mais tradicionais e rudes exercícios das rotinas dos jogadores e devido ao fato das aulas serem ministradas por uma mulher, um dos atletas (que por sinal hoje é um famoso treinador brasileiro) me questionou mais ou menos desta forma: “Professor, vai ter aula de yoga amanhã? Eu respondi: “Sim, vai... Por quê? Você vai querer fazer a aula?" Ao que ele me respondeu: “Não, não... é que vou pedir pro roupeiro preparar os colans cor-de-rosa e as sapatilhas para que a bonequinhas possam fazer a aula”.
Exemplos como esse e de outros preconceitos, infelizmente ainda são comuns no futebol e em nossa sociedade, e as chances de os superarmos definitivamente ainda são remotas.
Isto me faz lembrar a frase do físico e pensador Albert Einstein que concluiu ser mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.

Fonte: João Paulo Medina
Cidade do Futebol

9 de dezembro de 2007

Donos de times entre os mais ricos do futebol inglês

Entre as 100 pessoas com maiores fortunas ligadas ao futebol, apenas 14 são jogadores
A revista inglesa “FourFourTwo” divulgou em sua última edição a lista das 100 personalidades britânicas mais ricas no mundo do esporte. No meio a tantos nomes, os jogadores de futebol são apenas 14, nenhum entre os dez primeiros.
De acordo com o levantamento, a fortuna acumulada de todos os participantes chega a 27 bilhões de libras (R$ 99 bilhões), sendo o russo Roman Abramovich, dono do Chelsea, responsável por 10,8 bilhões de libras (R$ 40 bilhões).
Os controladores do Arsenal, Alisher Usmanov e Stanley Kroenke, estão na terceira e na oitava colocação respectivamente. Enquanto Malcom Glazer, proprietário do Manchester United é o 17º.
Os 10 primeiros da lista:
1-) Roman Abramovich, Chelsea - R$ 40 bilhões
2-) Joe Lewis, Tottenham Hotspur – R$ 10,22 bilhões
3-) Alisher Usmanov, Arsenal – R$ 10,07 bilhões
4-) Bernie Ecclestone, QPR – R$ 9,12 bilhões
5-) Mike Ashley, Newcastle United – R$ 5,84 bilhões
6-) Dermot Desmond, Celtic – R$ 5,84 bilhões
7-) Malcolm Glazer, Man Utd – R$ 4,56 bilhões
8-) Stanley Kroenke, Arsenal – R$ 4,38 bilhões
9-) Trevor Hemmings, Preston – R$ 3,57 bilhões
10-) Lord Ashcroft, Watford – R$ 3,46 bilhões

Equipe Cidade do Futebol

Como tais dirigentes conseguiram adquirir tamanha fortuna?! Há algo de podre no ar...

7 de dezembro de 2007

Manifestações nazistas atormentam o futebol croata

O futebol da Croácia vem sofrendo com as provocações de alguns grupos de torcedores nazistas - entre elas uma grande suástica pintada no centro do campo do estádio Gradski, na cidade de Osijek.

Os funcionários do NK Osijek, da primeira divisão croata, tentaram tapar com grama e areia a cruz, mas o símbolo nazista segue visível ao público.

"Não pudemos plantar grama nova pelo intenso calendário de jogo de nossa equipe", disse Milo Dumancic, presidente do ex-clube do atacante Davor Suker.

Mas este não é o único caso. Recentemente foram colocadas à venda na internet camisas do Hajduk Split, com a águia - símbolo do nazismo - e a inscrição "Hajduk Jugend", clara alusão às Juventudes Hitleristas.

No final do mês de outubro, a Federação Croata de Futebol proibiu expressamente o anúncio de uma empresa cuja logomarca se parecia muito com o símbolo dos Ustashi, regime Pró-nazista croata da Segunda Guerra Mundial e proibido hoje em dia no país.