9 de abril de 2011

Um ofício. Uma carta. Uma resposta. A mudança de uma história.

Há exatos 87 anos, uma carta mudou os rumos do futebol brasileiro. Em 07 de abril de 1924, os pobres, mulatos, negros e nordestinos  do Vasco, liderados por José Augusto Prestes, davam à sociedade brasileira um tremendo pontapé no preconceito, ou seja, uma demonstração de como deveria ser o Brasil, forte e com igualdade para todos.

Uma carta que, mais que uma carta, é um verdadeiro libelo contra a discriminação social e racial. Pelo que representou para o esporte nacional, pelo que representa até hoje para os vascaínos,para nós da URC, para todas as vítimas de todo e qualquer tipo de preconceito,  e pela nobreza do seu conteúdo, a nossa reverência.

Confira a carta:

Rio de Janeiro, 7 de Abril de 1924.
Ofício nr. 261
Exmo. Sr. Dr. Arnaldo Guinle
M.D. Presidente da Associação Metropolitana de Esportes Atléticos

As resoluções divulgadas hoje pela imprensa, tomadas em reunião de ontem pelos altos poderes da Associação a que V.Exa tão dignamente preside, colocam o Club de Regatas Vasco da Gama numa tal situação de inferioridade, que absolutamente não pode ser justificada nem pela deficiência do nosso campo, nem pela simplicidade da nossa sede, nem pela condição modesta de grande número dos nossos associados.

Os privilégios concedidos aos cinco clubes fundadores da AMEA e a forma por que será exercido o direito de discussão e voto, e feitas as futuras classificações, obrigam-nos a lavrar o nosso protesto contra as citadas resoluções.

Quanto à condição de eliminarmos doze (12) dos nossos jogadores das nossas equipes, resolve por unanimidade a diretoria do Club de Regatas Vasco da Gama não a dever aceitar, por não se conformar com o processo por que foi feita a investigação das posições sociais desses nossos consócios, investigações levadas a um tribunal onde não tiveram nem representação nem defesa.

Estamos certos que V.Exa. será o primeiro a reconhecer que seria um ato pouco digno da nossa parte sacrificar ao desejo de filiar-se à AMEA alguns dos que lutaram para que tivéssemos entre outras vitórias a do campeonato de futebol da cidade do Rio de Janeiro de 1923.

São esses doze jogadores jovens, quase todos brasileiros, no começo de sua carreira e o ato público que os pode macular nunca será praticado com a solidariedade dos que dirigem a casa que os acolheu, nem sob o pavilhão que eles, com tanta galhardia, cobriram de glórias.

Nestes termos, sentimos ter que comunicar a V.Exa. que desistimos de fazer parte da AMEA.

Queira V.Exa. aceitar os protestos de consideração e estima de quem tem a honra de se subscrever, de V.Exa. At. Vnr.

Obrigado

(a) Dr. José Augusto Prestes
Presidente

6 de abril de 2011

Nota de pesar pelo falecimento do Dr. Alexandre Carneiro

Faleceu na tarde de ontem o Dr. Alexandre Vasconcelos Carneiro, médico, desportista, socialista e apaixonado torcedor coral, pai de Leonardo Carneiro, atuante componente da torcida Ultras Resistência Coral e participante cativo da antiga Rádio Ferrão.

Dr. Alexandre Carneiro, assim como seu filho, foi um dos principais atletas de Tênis de Mesa do estado, defendendo sempre as cores do Ferroviário e conquistando vários títulos.

A direção do clube coral, os que fazem o Portal Oficial e todos que fazem parte da torcida Resistência Coral manifestam as mais sinceras condolências à família enlutada.