22 de dezembro de 2009

Torcida coral se mobiliza para ajudar reformas na Barra

A Vila Olímpica Elzir Cabral (foto) está um verdadeiro canteiro de obras. Desde o começo de dezembro, quando o elenco profissional do Ferrão iniciou a pré-temporada e mudou-se para a cidade de Itaitinga, no Centro Esportivo do Nordeste (CETEN), as instalações corais na Barra do Ceará estão passando por grandes reformas.

Enquanto a Associação dos Amigos do Ferroviário Atlético Clube (AAFAC) está engajada na recuperação do gramado do Estádio Elzir Cabral, a diretoria de patrimônio do clube está focada na melhoria dos alojamentos na sede.

No Fórum do Portal Oficial do Ferroviário, foi iniciada uma mobilização entre os sócio-torcedores do clube para ajudarem nas reformas. Outra necessidade urgente foi identificada e iniciou-se a "Campanha do Muro".

O projeto consiste na construção de um muro que separe o estacionamento da sede administrativa, como exigência da polícia para o campeonato estadual. No mais, levantar o restante de grade para continuar com a visibilidade e ventilação. Essa reforma vai também ser importante para facilitar o controle de pessoas no dia-a-dia da Barra.

"Utilizamos este importante meio de interatividade entre adeptos corais para termos sucesso. Precisávamos de alguém para coordenar a campanha de arrecadação de tijolos e contribuição financeira para o projeto do muro", disse Félix Ponte, diretor adjunto de patrimônio.

Através de louvável iniciativa, o sócio Marcelo Caetano prontificou-se como coordenador e vem fazendo um trabalho excelente. O âmbito da campanha se estendeu pela Comunidade Virtual do Ferrão no Orkut e o número de doações tem aumentado consideravelmente.

O torcedor que ainda não colaborou e deseja participar desta importante mobilização, deve ligar para o número (85) 9168-1261 e tratar com Marcelo Caetano.

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

É isso aí! O Ferrão pertence aos seus torcedores e, com a mobilização e participação efetiva desses, faremos o nosso clube cada vez mais democrático e forte!

21 de dezembro de 2009

Os gigantescos times minúsculos do futebol brasileiro

O blog Futebol Caipira noticiou: "Além de perder a base do time titular, a diretoria do Barueri ainda está travando um guerra política com o município de Barueri. O atual prefeito não está disposto a continuar investindo dinheiro no clube. E o impasse pode tirar o time da cidade.

Revoltados com a atitude da prefeitura, a diretoria do Barueri não descarta a possibilidade de abandonar o município e aceitar a proposta de outra cidade para mudar de nome e de região.

O Barueri recebeu uma proposta para se mudar para a cidade de Presidente Prudente, onde mandaria os jogos no estádio Eduardo José Farah, e trocaria o nome de Grêmio Barueri Futebol Ltda para Grêmio Prudentino Futebol Ltda.

Já a prefeitura de Barueri não está preocupada com a troca de sede do Barueri e acena com a possibilidade de montar outro time, o Esporte Clube Barueri, e iniciar na Federação Paulista de Futebol disputando o Campeonato Paulista da Quarta Divisão em 2010."

Sinceramente, eu não sei se rio ou se choro. São os chamados grandes times PEQUENOS, ou mesmo gigantescos times MINÚSCULOS do futebol brasileiro. Identidade, tradição e torcida? Que se danem. O importante é faturar.

Será que aqueles pouquíssimos torcedores que o Barueri tem vão se mudar para Presidente Prudente ou vão passar a torcer o novo time da cidade?

É, mas esse tal time que pode mudar de nome, de cidade e busca o dinheiro público, está na Série A do Brasileiro e com vaga garantida na Copa Sul-Americana, mesmo sem conseguir colocar nem mil e quinhentos torcedores no estádio. Enquanto isso, Ferroviário, Remo, Santa Cruz, Treze e outros tradicionais times do futebol brasileiro, com grandes e apaixonadas torcidas, comem o pão que o diabo amassou.

Postado por Chateaubriand Arrais Filho

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

17 de dezembro de 2009

São Paulo pede cuidado com manifestações sobre visual de Richarlyson

O novo visual de Richarlyson, que alongou seu cabelo com um aplique, gerou reações pouco positivas de torcedores e dirigentes do São Paulo. Em comunidades na internet, já apagadas pelo site de relacionamentos que as gerencia, houve críticas e ameaças de morte.

A diretoria do clube também não gostou. Avaliou que a mudança foi uma exposição desnecessária do camisa 20, perseguido por parte da torcida -que chegou a cantar músicas de teor homofóbico contra ele.

Em contato com a reportagem, porém, o superintendente de futebol Marco Aurélio Cunha minimizou a questão. Para não dar razão àqueles que perseguem Richarlyson, disse que as manifestações não têm importância.

"Não há situação nenhuma envolvendo o Richarlyson. O clube é dirigido de dentro para fora, a gente não resolve nada porque disseram algo na internet", afirmou Marco Aurélio.

O cartola assegurou ainda que não pedirá ao jogador uma mudança no visual para evitar maiores problemas. Disse que "o São Paulo o respeita e o considera". "Não temos de pedir nada. O Richarlyson e os demais têm de cumprir seus deveres de atleta, só isso", acrescentou.

O volante diz que não é gay, mas diz ser contra a homofobia desde que José Cyrillo Júnior, então diretor do Palmeiras, insinuou sua homossexualidade - Ricky o processou. A questão incomoda parte da torcida tricolor, que prefere vê-lo longe.

Quando alongou o cabelo, o jogador disse que o fez para aumentar sua autoestima. Ele deve mantê-lo até a reapresentação do São Paulo.

Fonte: Uol Esporte


Como podemos perceber, infelizmente a homofobia é um mal que ainda custará muito a ser superado...

15 de dezembro de 2009

Torcedor disponibiliza em blog as edições da Rádio Ferrão

Alberto Tavares, torcedor coral, está gravando e disponibilizando as edições passadas da Rádio Ferrão, desde o dia 22 de novembro. Os áudios, organizados por blocos, já podem ser conferidos em blog de sua autoria.

O endereço é: http://www.radioferrao.blogspot.com.

A Rádio Ferrão, uma iniciativa da AAFAC em parceria com a diretoria de marketing do clube coral, vai ao ar todos os domingos, de 21h às 23h, pela famosa Rádio Clube AM 1200, a pioneira no ramo de rádiodifusão no estado.

Alberto é Fotografo, Video Maker e apaixonado pelo Ferroviário, como ele mesmo se define na apresentação do blog. Além deste arquivamente, Alberto também está retransmitindo ao vivo o programa pela internet, em canal criado no site Justin.tv.

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

7 de dezembro de 2009

Roma afunda Lazio em mais um clássico com briga entre torcidas

Cassetti marca o único gol no Estádio Olímpico e leva equipe do brasileiro Juan para a sexta colocação. Lazio se aproxima da zona do rebaixamento.

Como de costume, o clássico entre Roma e Lazio teve briga entre as torcidas, rivais declaradas da capital italiana, no Estádio Olímpico. Em campo, melhor para o Roma, que venceu por 1 a 0, com gol de Cassetti, e pulou para a sexta colocação, com 24 pontos. O Lazio continua com 13 e está a apenas um ponto do Livorno, o primeiro na zona de rebaixamento.

Saiba mais sobre a torcida da Lazio.

Fonte: Agências de noticiais.

6 de dezembro de 2009

Parabéns ao Flamengo pelo Hexa campeonato em 2009.


“Torcedores” revoltados com rebaixamento invadem o campo.

No único duelo da última rodada do Campeonato Brasileiro em que os dois times brigavam contra o rebaixamento, a festa foi tricolor. O Fluminense arrancou um empate por 1 a 1 com o Coritiba neste domingo, no estádio Couto Pereira, e garantiu a permanência na elite em 2010 após uma invencibilidade de 11 jogos nas últimas rodadas (sete vitórias e quatro empates). Marquinhos fez o gol do Flu e Pereira igualou. Este empate acabou rebaixando o time paranaense no ano de seu centenário. Outro resultado que determinou a queda do Coxa foi a vitória do Botafogo sobre o Palmeiras por 2 a 1, no Engenhão. Os paranaenses terminaram na 17ª colocação, com 45 pontos e farão companhia a Santo André, Náutico e Sport. O Flu acabou em 16º, com 46, enquanto o Alvinegro foi o 15º, com 47.

Após o apito final, cenas lamentáveis. Torcedores do Coritiba invadiram o gramado para agredir o árbitro gaúcho Leandro Vuaden. A Polícia Militar teve de intervir e houve confronto generalizado. Cadeiras do estádio foram destruídas por “torcedores” do Coritiba.


Lamentável a atitude tomada por uma parte dos “torcedores” do Coritiba.

Fonte: Agência de notícias.

Hexa do Flamengo: gafe e tumulto por telão pifado na Arena HSBC

Centenas de rubro-negros que não conseguiram ingresso para ir ao jogo no Maracanã se reuniram também na Arena HSBC, onde, mais cedo, o Flamengo bateu o Pinheiros pelo Novo Basquete Brasil (NBB). Aqueles que assistiram à partida ficaram no local para acompanhar a decisão contra o Grêmio por um telão, posto exatamente no meio da quadra.

Até meia hora antes do início do duelo, cerca de mil pessoas faziam festa e animadas, clamavam pelo hexa. Só que a organização não conseguia pôr o telão para funcionar. Impacientes, os torcedores passaram a atirar cadeiras na quadra e tentaram invadir a bilheteria.

Um dos responsáveis pela Arena avisou que o dinheiro seria devolvido, ordeiramente. Mas de nada adiantou. Os protestos seguiram. Porém, com 15 minutos de jogo, o telão, enfim, foi ligado. O problema é que muitos já haviam ido embora, em busca do primeiro bar que surgisse.

Fonte: Lancenet

5 de dezembro de 2009

Piada.

Uma piada do ator americano Robin Williams provocou reação do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

No programa de David Letterman, exibido no Brasil pelo canal de assinatura GNT, Robin Williams se referia ao anúncio da sede olímpica, feito em Copenhague, na Dinamarca, no início de outubro. Ele disse que a cidade de Chicago, que perdeu a disputa, enviou a apresentadora Oprah Winfrey e a primeira-dama Michelle Obama e que o Brasil mandou 50 strippers e meio quilo de pó, o que, segundo ele, não foi justo.

Advogados do Comitê Rio 2016 vão analisar possíveis medidas judiciais nos Estados Unidos contra o ator e comediante.



A piada dele até que foi fraquinha, o Brasil é visto lá fora de forma bem pior. Se o comitê achou essa piada de mau gosto é porque nunca assistiram a esse programa. Eles fazem piadas de árabes completamente racistas, fazendo parecer que todos são terroristas. O brasileiro tem que parar de achar que as coisas só são engraçadas quando é com os outros, se ele tivesse falado isso sobre a Colômbia ninguém reclamaria. Hehehe.

À procura de Eric: comédia de Ken Loach retrata mais que o futebol e a classe operária

Muitos se surpreenderam ao saber que o novo filme do cineasta britânico Ken Loach se tratava de uma comédia. Á procura de Eric (Looking for Eric), porém, apesar do gênero, nada deve à filmografia de Loach, conhecido por seu cinema engajado e por explorar uma temática sempre ligada à classe operária. Fazem parte dessa lavra, por exemplo, filmes como Pão e Rosas, Meu nome é Joe e talvez seu filme de maior sucesso, o épico Terra e Liberdade, sobre a guerra civil espanhola.

No novo filme de Loach, temos a história do carteiro Eric Bishop (Steve Evets), homem de meia idade em constante crise e que, como seus companheiros, encontra no futebol sua principal válvula de escape. Após sofrer um acidente de carro e começar a fumar maconha para aliviar a tensão, Eric começa a receber a “visita” do ex-jogador francês Eric Cantona, seu ídolo, numa espécie de alucinação.

Quem faz o papel da visão de Cantona é o próprio jogador, famoso por sua carreira no Manchester United. Como uma espécie de guru, Cantona ajuda o carteiro a enfrentar seus problemas. Sempre com frases feitas e ajustáveis a qualquer contexto, como “sempre há mais alternativas do que imaginamos”, ditas com um olhar confiante, o jogador tece diálogos hilários com o protagonista, numa crítica ácida e irônica aos manuais de auto-ajuda, tão em voga nos últimos anos.

A imprensa apresenta À procura de Eric como um filme que “une comédia e futebol”, numa enorme simplificação. O futebol, claro, está lá. A crítica à mercantilização dos grandes clubes. A relação da classe trabalhadora com o esporte, como uma catarse coletiva. “É o único momento em que podemos gritar, rir, chorar sem sermos presos pela polícia”, diz em determinado momento o carteiro.



Os principais lances da carreira de Cantona também estão lá, mostrados como flasbacks entre as longas conversas do jogador e seu discípulo. Em um desses diálogos, muito bonito por sinal, Eric pergunta ao ex-atleta qual a melhor jogada em toda a sua brilhante carreira. Para a surpresa do carteiro, Cantona afirma que não fora um de seus inúmeros gols, mas sim um passe certeiro a um companheiro do Manchester que finalizou a jogada.

O ídolo representa para Eric um momento feliz de sua vida, perdido no passado. Assim como as imagens pouco nítidas dos gols e jogadas dos anos 80 e 90, a vida do carteiro também parece ter estacionado em algum momento de sua trajetória. Loach, no entanto, surpreende ao conduzir bem uma comédia, arrancando risos e, ao mesmo tempo, emocionando a plateia. Um crítico maldoso chegou a dizer que havia sido a primeira vez que saía feliz de um filme do diretor britânico.

Outros aspectos da vida da classe trabalhadora, porém, também estão lá. A violência urbana e policial, os dramas familiares, a angústia e a frustração de uma vida aparentemente sem sentido. A saída que o cineasta aponta, no entanto, passa longe do individualismo holywoodiano. Aqui, Eric não “ergue a cabeça e vai à luta”. A exemplo de Pão e Rosas, a perspectiva indicada por Loach é coletiva.

Diego Cruz da redação do Opinião Socialista.

30 de novembro de 2009

O neoliberalismo do Fortaleza


Fortaleza caiu.
Ruiu a experiencia de entronizar o neoliberalismo no futebol, do qual seu presidente é um adepto.
O clube mínimo, assim como o Estado mínimo que eles tanto apregoam não deu certo.
No Estado mínimo a população paga, hoje, o descalabro dos serviços públicos serem controlados pelas próprias empresas prestadoras de serviços.
Já no clube mínimo, não existe a mínima possibilidade do craque ganhar o mesmo salário de um jogador mediano.
E o neoliberalismo jogou o Fortaleza na terceira divisão.

Postado por Martins Andrade

Fonte: Futebol Baião-de-Dois

28 de novembro de 2009

Presidente do Palmeiras faz declaração considerada homofóbica

"Vamos matar os bambis" disse o presidente do Palmeiras Luiz Gonzaga Belluzzo (afastado temporariamente do carto pelo STJD) durante o aniversário da escola de samba de uma das torcidas organizadas do time.

O vídeo com a declaração vazou na Internet, mas Belluzzo desculpou-se e disse que não tinha nenhuma intenção de falar sério. "Falei em um ambientede festa, há dois meses, em uma escola de samba. Estava com minha família, minha filha, era brincadeira" explicou em entrevista para o GE.net.

Manifestações no futebol tendo com referência a homossexualidade são comuns no Brasil. Na festa de aniversário do Corinthians, torcedores exibiram um veado vestido com as cores do São Paulo, o que foi repudiado pela diretoria são-paulina.

Ao explicar a expressão usada, Belluzzo ressaltou que o verbo "matar" é linguagem de futebol e que não tem nenhuma relação com incitar a violência. "Faleimatar no sentido futebolístico" disse o dirigente.

Fonte: AthosGLS


26 de novembro de 2009

FCF? Federação Cearense de Futebol

Eu tento não me indignar, mas é difícil. Tento não mais ligar para as injustiças do futebol cearense e me dedicar exclusivamente ao Ferroviário, mas é difícil.

Poucos dias após a volta do Fortaleza para a terceira divisão do Campeonato Brasileiro, o presidente da FCF, via Twitter, declarou: "Diante da atual situação estou estudando a antecipação da Copa Estado do Ceará".

Há vários anos que o Ferroviário, assim como a grande maioria dos times cearenses, sofre na pele por não ter calendário o ano inteiro, enquanto Ceará e Fortaleza vivem (ou viviam) em berço esplêndido. Por que nunca se preocuparam com isso?

Não aceito como resposta o fato de Ceará e Fortaleza terem mais títulos e torcidas maiores. Uma federação deve tratar igualmente todos os seus filiados. Afinal, o que significa FCF? Federação Cearense de Futebol.

Ah, e vale uma observação importante: a realização desta copa estadual deve-se exclusivamente à militância de torcedores do Ferroviário, que, também indignados, foram ao Ministério Público e denunciaram a FCF por desrespeito ao Artigo 8° do Estatuto do Torcedor, que obriga as federações à garantirem pelo menos 10 meses de atividade aos clubes.

Postado por Chateaubriand Arrais Filho

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

Manipulação e corrupção abalam futebol na Europa

A Procuradoria Geral de Bochum revelou neste fim de semana que prendeu 17 pessoas (15 na Alemanha e 2 na Suíça) por envolvimento em casos de manipulação de resultados de 200 partidas de futebol na Europa visando beneficiar grupos ligados ao negócio de apostas. Os principais acusados são de Berlim, Nuremberg e Bochum.

Foram expedidos ainda 50 mandados de busca e apreensão em casas de apostas na Alemanha, Suíça e Áustria o que resultou no confisco de milhares de documentos e um milhão de Euros em dinheiro vivo.

Trata-se do maior escândalo de apostas do futebol europeu de toda sua história e coloca em dúvida a credibilidade desse esporte que movimento bilhões de Euros anualmente.

Ao que tudo indica, há pelo menos um árbitro da Federação Alemã envolvido além de jogadores e dirigentes. A grande maioria dos indiciados no caso vive na Alemanha.

As averiguações feitas até agora resultaram em dados já devidamente comprovados pela Procuradoria Geral de Bochum relacionados a seguir:

Na Alemanha foram manipulados os resultados de um total de 32 jogos, sendo 18 das Ligas Regionais, 5 das Ligas Superiores, 4 da 2ª Divisão e 3 da 3ª Divisão. Até agora não foi constatado nenhuma manipulação em partidas da 1ª Divisão.

Há ainda indícios de corrupção e manipulação em pelo menos 3 jogos da Champions League, assim como 12 confrontos da Liga Europa.

A polícia estendeu as suas investigações a aproximadamente 200 pessoas: de um lado, os "compradores" de resultados e de outro, jogadores, técnicos, cartolas e árbitros que aceitaram subornos.

Diante das escandalosas revelações da polícia alemã, esperava-se uma reação enérgica da Federação Alemã de Futebol na pessoa do seu presidente, Theo Zwanziger; reação essa que, pelo menos até agora, deixou muito a desejar.

No primeiro momento Zwanziger se declarou aliviada pelo fato de clubes alemães não estarem envolvidos no caso (?) para logo em seguida, em comunicado oficial, afirmar que "não entende toda essa excitação da mídia, porque afinal são apenas 32 partidas."

E o torcedor o que pensa? "Esse novo escândalo de apostas revela apenas o que o Futebol é na realidade: um grande negócio, é só grana, pouco a ver com o esporte." declarou o porta-voz da ONG Iniciativa Pró-Fãs que defende os interesses dos torcedores alemães.

Pelo que se pôde ouvir nas arquibancadas reservadas para as torcidas organizadas nos estádios neste fim de semana, a ONG tem razão: "Futebol, Máfia e DFB (Federação Alemã de Futebol) - tudo farinha do mesmo saco", entoavam em coro milhares de pessoas que, pelo jeito, já perderam a fé no futebol como esporte.


Fonte: ESPN

8 de novembro de 2009

Jogador de futebol é demitido por ser homofóbico


A Polônia, país dos mais homofóbicos da Europa, teve uma baixa esta semana. O goleiro polonês Arek Onyszko foi demitido por declarações preconceituosas contra gays. o atleta jogava pelo clube FC Midtjylland, da Dinamarca, onde jogava. Em sua biografia, cujo título é “Fucking Polak” (algo como “Polaco Poderoso”), o jogador declarou odiar homossexuais.

“É lamentável ter de ouvi-los falarem uns com os outros como se fossem ‘mulherzinhas’. Não consigo estar no mesmo espaço que um homossexual. Vejam como eles se beijam. É doentio”, relata o jogador no livro. Há cinco meses, Onyszko havia sido demitido de outro clube dinamarquês quando foi condenado a três meses de prisão por ter agredido a sua ex-mulher.

Fonte: ParouTudo.com

Doentio é a homofobia e outros tipos de preconceitos. A punição para esse sujeito saiu barata...

Time ameaça deixar Campeonato Turco por causa de torcedores racistas


Istambul, 2 nov (EFE) - O Diyarbakirspor, equipe curda da primeira divisão do futebol turco, anunciou que deixará o campeonato nacional em protesto contra o racismo que vem sofrendo há semanas.

O time de Diyarbakir, a cidade mais povoada da região curda da Turquia, não entrará em campo no jogo contra o Galatasaray de Istambul, disse à agência de notícias "Anadolu" o presidente do clube, Çetin Sümer.


A decisão é uma resposta ao tratamento racista que jogadores e torcedores do Diyarbakirspor têm sofrido da torcida de de outros times pelo fato de o clube ser de origem curda.


A reação também é um protesto contra a Federação de Futebol da Turquia, que não estaria fazendo muito para evitar os insultos, apesar das constantes reclamações da equipe.


No mês passado, durante uma partida contra o Bursaspor, cujos torcedores radicais são conhecidos pelo forte nacionalismo turco, a torcida do Diyarbakirspor foi agredida e chamada de "separatista" e de seguidora do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).


Tanto nesse como em outros jogos, os torcedores adversários gritaram frases como "Que feliz aquele que pode dizer 'Sou turco!'", uma das famosas frases do fundador da República da Turquia, Mustafa Kemal Tatürk, algo que irritou e ofendeu os seguidores curdos.


A repetição desses incidentes na última partida, disputada contra o Gaziantepspor neste fim de semana, e as polêmicas decisões da arbitragem que permitiram ao time local vencer o Diyarbakirspor com gols marcados nos últimos três minutos, foram a "gota de água" para que a direção do clube de Diyarbakir decidisse deixar o campeonato.


"Estão tentando colocar obstáculos contra nós", reclamou o técnico Ziya Doga em declarações à agência "DHA".

O presidente do Diyarbakirspor explicou que levará sua decisão de deixar o campeonato à Prefeitura de Diyarbakir, em mãos do partido nacionalista curdo DTP, e a organizações da sociedade civil, já que o clube "não é da direção, mas de toda a cidade".

Fonte: Agência EFE

5 de novembro de 2009

Crias da base perdem vínculo contratual com o Ferroviário

A nova diretoria do Ferroviário terá pela frente uma árdua tarefa de descobrir o paradeiro dos principais atletas formados nas categorias de base do clube. Vários jogadores tiveram seus contratos rescindidos pela antiga gestão sem que tivessem sido oficialmente negociados com outros clubes.

Os contratos de jogadores como Guto, Leonardo, Diego, Léo Jaime, dentre outros, deveriam vigorar por cerca de mais três anos. Sem nenhuma explicação plausível, todas as crias do clube foram desvinculadas do Ferroviário, tendo ainda que assinar documentos em branco para continuarem suas carreiras em outras equipes.

Na prestação de contas entregue pelo ex-presidente Paulo Wágner Pinheiro ao Conselho Deliberativo, não consta nenhum lançamento de valores oriundos de negociações de jogadores. O fato causou bastante estranheza entre os corais. Entre agosto e outubro desse ano, o número de atletas vinculados ao Ferroviário reduziu de quase 100 jogadores para menos de 20. Nesse contexto, todas as revelações das categorias de base tiveram seus contratos rescindidos.

Os novos diretores do Ferroviário confirmaram o desejo de promover uma ampla auditoria nas contas do clube para que seja feito um levantamento minucioso da situação. Só em termos de passivos judiciais, Vilemar Rodrigues (foto), presidente do Conselho Deliberativo, estima atualmente cifras em torno de 2 milhões de Reais.

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

Que essa auditoria seja realmente posta em prática e concretizada pela nova diretoria. Esperamos que os culpados sejam apontados para que possam pagar o preço por terem cometido essa rapinagem contra o nosso clube. Nós estaremos de olho e, junto com os demais torcedores corais, buscaremos banir de vez estes parasitas que assolaram e os que continuam assolando o Ferrão!

3 de novembro de 2009

O problema sócio-econômico do futebol cearense

Sou um dos mais ferrenhos críticos ao calendário do futebol cearense. Há quase três anos, tenho publicamente batido na tecla de que o atual modelo enfraquece o futebol local como um todo, privilegiando e protegendo apenas os clubes que disputam a Série B nacional, excluindo a maioria esmagadora das equipes. O problema se repete há tempos sem que nada seja feito de concreto, num total desrespeito ao que reza o Estatuto do Torcedor que prevê, no mínimo, dez meses de competições oficiais para todos.

Enquanto Ceará e Fortaleza oferecem o pão e o circo, a discussão sequer é lembrada. O silêncio vergonhoso de quem teria a obrigação de promover o debate acoberta não apenas uma injustiça - e ilegalidade - esportiva, mas uma questão seriíssima em nível sócio-econômico. Há uma altíssimo nível de desemprego entre os profissionais da bola, que na melhor das hipóteses, são submetidos a contratos temporários de apenas três ou quatro meses no ano inteiro.

Semana passada, o promissor zagueiro Tonton foi vítima desse calendário excludente. Tendo que se submeter a faturar, em nome da própria sobrevivência, míseros 200 Reais para disputar uma partida de liga interiorana, o ex-beque do Horizonte faleceu em acidente automobilístico. Tonton é apenas mais um exemplo, pois, na prática, todos os dias inúmeros atleta locais passam fome por não ter onde trabalhar, diante da curiosa inoperância de seu próprio sindicato.

A FCF acena mudanças a partir da criação de uma copa estadual, já anunciada, que premiará o campeão com uma vaga para a Copa do Brasil no ano seguinte, a exemplo do que acontece em todos os outros estados brasileiros. Já não era sem tempo. O problema do desemprego será minimizado e ainda exigirá dos clubes um nível de planejamento que a maioria não está acostumada - e essa lógica inclui o Ferroviário. Melhor para o futebol cearense, que passará por um processo de seleção natural onde os bons, comprometidos e organizados ficarão, o que a médio e longo prazo, fortalecerá o nosso desporto.

Vai sempre haver quem ache ruim, afinal de contas é bem mais fácil permanecer na inatividade e na zona de conforto, local onde podem ser realizados os negócios mais escusos, longe dos holofotes durante a maior parte do ano, o que muitas vezes inviabiliza um processo de mudança. Vamos ver se os dirigentes eleitos da nova FCF cumprirão a promessa e quebrarão o status quo. Se assim o fizerem, estarão contribuindo para um futebol cearense mais forte e merecerão o respeito de uma legião de desportistas que vêem o esporte de uma forma muito mais ampla do que simplesmente a rivalidade nos gramados.

Postado por Evandro Gomes


Fonte: Portal oficial do Ferroviário

30 de outubro de 2009

Roteiro para fazer Análise de Conjuntura

1º) Coleta de dados

a) Para a isso é preciso que cada militante procure estar atento aos noticiários e faça este esforço para que seja possível discutir análise de conjuntura coletivamente;

b) Recomenda-se a anotação de dados e informações (bem sintética) num caderninho;

c) Os militantes devem procurar ler jornais de grande circulação de preferência. Quando isso não for possível vale qualquer meio que estiver à mão: internet, televisão, rádio de pilha, etc.

d) Não é preciso, nem possível, que todos saibam de tudo, o “quebra-cabeça” será montado com a contribuição de cada um

e) A Ultras deve buscar realizar reuniões de formação política duas vezes ao mês, se possível com intervalo de cerca de 15 dias e intercalada com as outras reuniões. Isso fica flexível a critério um dentro de sua realidade. O essencial é que encontre tempo para discutir isso ao menos duas vezes no mês.

f) O objetivo não é tirar uma análise de conjuntura perfeita e/ou para ser publicada. Apenas estaremos exercitando a construção de uma análise de conjuntura neste momento.

2º) Listar os acontecimentos

a) fazer a coleta de dados;

b) separar acontecimentos de fatos;

c) hierarquizar os acontecimentos mais importantes;

d) identificar sentido dos acontecimentos, isto é, separar os acontecimentos em si da sua interpretação.

e) quais as causas dos acontecimentos (efeitos), verificando o que é causa imediata e o que é causa anterior

f) acontecimentos apontam apenas mudança de rota ou ruptura?

g) qual a extensão dos acontecimentos?

3º) Identificar os atores

a) listá-los

b) classificá-los em: indivíduos, instituições, grupos/categorias e classes sociais

4º) Identificar os cenários

a) abertos (ruas, espaços públicos, espaços populares, etc.)

b) fechados (câmara, congresso, gabinetes, etc.)

c) identificar o cenário dominante

5º) Identificar o clima dos acontecimentos
O clima social é tenso, tranqüilo, de empolgação, etc.

6º) Avaliar as Relações de Forças:

a) poder de influência de cada ator no momento;

b) agrupações de atores que se opõem; se aliam; submetem um ao outro, etc.

c) quem está aliado com quem?

7º) Projetar as Tendências
É o objetivo da análise. Projetar as tendências para fazer nossas opções de ação concreta. Duas perguntas básicas tem que ser respondidas:

a) quais as possibilidades de desenvolvimento dos acontecimentos?

b) como vai ficar cada ator diante dos prováveis novos acontecimentos?
* Principais erros de uma análise:

a) comparação com outras realidades para projetar tendências;

b) superficialidade (descritivismo): análises cheias de dados, mas que não explicam causas e conseqüências;

c) subjetivismo: misturar o que queremos que aconteça com a análise dos fatos;

d) unilateralidade: só avaliar um aspecto das coisas e desprezar vários outros.
* Pontos para se atentar na coleta de dados:
De preferência ter um caderninho para anotações e voltar a atenção para:

a) Economia
- Inflação;
- Emissão de moeda (ver nos indicadores econômicos);
- PIB;
- Desemprego;
- Comércio Exterior (importação e exportação);
- Dívida Interna, Externa e % dos juros da dívida;
- Taxa de juros.

b) Política
- política econômica do governo;
- ação dos partidos: alianças, interesses, projetos;
- ações políticas do governo;
- ação dos movimentos sociais organizados;
- relação entre executivo – legislativo – judiciário;
- tendências de voto e simpatia do eleitorado;

c) Ideologia
- peso da instituições (ex: Igreja, TV, etc.);
- valores, idéias e comportamentos estimulados.

c) Relações Internacionais
- G7 (Grupo dos sete países mais ricos);
- FMI (Fundo Monetário Internacional);
- BM (Banco Mundial) ou BIRD;
- OMC (Organização Mundial do Comércio);
- OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento dos Estados)

d) Aparato Jurídico e Repressivo
- modificações de lei
- mudanças no funcionamento do aparato repressivo

OBS: Países para ter atenção especial além do Brasil
- EUA; Alemanha; Japão;
- México; Argentina.

27 de outubro de 2009

Jornalista denuncia corrupção no futebol belga e holandês

No último sábado, Declan Hill (foto), jornalista canadense, denunciou casos de corrupção no futebol da Bélgica e da Holanda. Segundo o jornalista investigativo, agremiações dos dois países teriam manipulado resultados de suas competições.

Ainda de acordo com Hill, um clube belga teria vendido o resultado das suas partidas como mandante. Por sua vez, alguns times da Holanda teriam negociado os resultados de seus jogos como visitantes. O jornalista afirmou que as informações são de um mafioso asiático envolvido com apostas.

Essa não é a primeira vez que o futebol belga se envolve em escândalo de corrupção. Em 2006, o empresário chinês Ye Zheyuan foi acusado de subornar jogadores e treinadores, tentando manipular os resultados das partidas. Além disso, ano passado a segunda divisão do país também passou a ser investigada devido a várias derrotas de um clube.

Hill é um especialista em investigações de casos de corrupção no futebol mundial. Ele já publicou um livro sobre a influência da máfia no mundo esportivo.

Fonte: Universidade do Futebol

21 de outubro de 2009

Passivo judicial é um dos principais desafios da nova direção do Ferrão

A próxima diretoria executiva do Ferroviário deve assumir o clube numa situação totalmente contrária ao que vem sendo propalado nos meios de comunicação da cidade.

Além de contar apenas com três atletas com contrato em vigência para o próximo campeonato estadual, o principal desafio da nova gestão, além da formação de um plantel de jogadores e comissão técnica, recairá na administração de um vultoso passivo judicial gerado nos últimos dois anos, que já ultrapassa a casa dos 2 milhões de Reais.

"Provavelmente aparecerão mais questões trabalhistas, mas o Conselho Deliberativo e a nova diretoria executiva trabalharão para minimizar os efeitos desse grave problema. Saberemos tomar as medidas cabíveis", informou Vilemar Rodrigues, presidente do Conselho.

Ao ser informado pessoalmente por Vilemar Rodrigues acerca de todas as dificuldades e do passivo judicial existente, o presidente da AAFAC, José Rêgo Filho, colocou a associação à disposição para buscar alternativas e colaborar com a solução da problemática.

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

Rádio Ferrão volta a ter transmissão ao vivo na internet


Sem transmissões pela internet desde a reformulação da antiga Ceará Rádio Clube, que hoje integra a Rede Clube Brasil, o programa oficial de rádio do Ferroviário Atlético Clube volta a estar presente ao vivo na rede mundial de computadores.

A boa nova deve-se a louvável iniciativa do torcedor coral Iago Barbosa, que através do site Justin.tv disponibilizou um canal exclusivo para a retransmissão online da Rádio Ferrão. O endereço é: http://www.justin.tv/iagofac.

A Rádio Ferrão, criada e mantida pela AAFAC, estreou no dia 14 de outubro de 2007 e vai ao ar todos os domingos, de 22h às 24h.

Sua proposta principal é informar sobre o dia a dia do clube, promover mesa de debates, e realizar entrevistas com os ídolos do presente e do passado, além de servir de referência para os desportistas que queiram obter informações atualizadas e oficiais do Ferroviário.

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

Nova edição da Expresso Coral já está nas bancas


A oitava edição da Expresso Coral já está pronta e chega às bancas de toda a cidade até a próxima sexta-feira. A revista oficial do Ferrão destaca em sua capa os trinta anos do inesquecível título cearense de 1979.

Detalhes especiais daquela conquista, incluindo depoimentos de dois grandes jogadores daquela época: o ex-goleiro Cícero Capacete e o ex-zagueiro Celso Gavião.

Ainda nesta publicação, o torcedor coral verá uma importante mensagem do presidente da Associação dos Amigos do Ferroviário, José Rêgo Filho. Além disso, retrospectivas das campanhas do Brasileirão da Série D e no Campeonato Estadual de Futsal.

Os Sócio-Torcedores corais, de todos os planos, têm direito à assinatura da revista e receberão a nova Expresso Coral na comodidade de suas residências.

Fonte: Portal oficial do Ferroviário

Bolívia prepara recurso para impedir veto a jogos na altitude

O governo boliviano anunciou hoje que prepara um recurso ante o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS, em francês) caso seja aprovado um novo veto à disputa de partidas de futebol na altitude.

O vice-ministro de Esportes, Víctor Barrientos, afirmou à imprensa a opção jurídica se confirmará caso “a intransigência da Fifa continue” e a entidade decida proibir jogos a mais de 2.750 metros acima do mar.

Em 2008, a Fifa impediu disputas oficiais em estádios que superassem aquela altitude, mas depois suspendeu temporiariamente a medida para La Paz, capital boliviana, cujo estádio Hernando Siles está a 3.600 metros acima do nível do mar.

“Ninguém escolhe o lugar onde nasce, e a altura por si só não ganha nem perde jogos. Estatisticamente, nos últimos anos, a altura não beneficiou as equipes locais. Esta é a defesa que faremos”, disse o vice-ministro.

Barrientos acrescentou que a participação do governo boliviano neste processo, encabeçado pelo presidente Evo Morales, que é fã de futebol, é “contundente” para que a Fifa desista de sua posição.

Morales afirmou neste domingo que a entidade “discrimina” a Bolívia e “erra” ao querer vetar novamente jogos na altitude, lembrando que o futebol é um esporte de “integração”.

Morales respondeu dessa maneira às declarações do chefe da comissão médica da Fifa, o belga Michael D'Hooghe, que insinuou neste sábado que a entidade pretende proibir novamente partidas disputadas em locais de altitude elevada. “Temos que encerrar já este último capítulo e dizer a palavra final”, afirmou Barrientos.

Se a proibição da Fifa se confirmar, alguns dos principais estádios bolivianos serão afetados, como o Hernando Siles, o Jesús Bermúdez, de Oruro, a 3.700 metros de altitude, e o Víctor Agustín Ugarte, de Potosí, a 4.000 metros acima do nível do mar.

Para defender o futebol disputado na altitude, Morales chegou a jogar uma partida em La Paz, em março de 2008, da qual também participou o técnico da seleção argentina, Diego Maradona.

A derrota da Argentina para a Bolívia por 6 a 1, em 1º de abril passado, em La Paz, pelas Eliminatórias Sul-Americanas, reabriu o debate sobre como a altitude afeta o desempenho dos jogadores de futebol.

Fonte:
Portal Copa 2014

20 de outubro de 2009

Operário acusa alguns torcedores do Sinop de racismo

O técnico do Operário, Éder Taques, denunciou no último dia 13 manifestações racistas por parte de um grupo de torcedores do Sinop Futebol Clube contra o lateral-direito Ezequiel e o volante Bogé. O fato teria ocorrido no empate sem gols entre as duas equipes no último fim de semana, no estádio Gigante do Norte, pela Copa Mato Grosso.

De acordo com Taques, do início ao fim da partida seus atletas, ambos negros, sofreram com insultos por parte de alguns poucos torcedores sinopenses, que os chamavam de "macacos e negros safados" entre outros adjetivos depreciativos. A agressão verbal foi tanta que o treinador tricolor ensaiou partir para cima dos torcedores.

"Os insultos eram tantos e agressivos que cheguei a partir para cima do pessoal. Não quero generalizar, mas o grupo de torcedores do Sinop extrapolou ao ofender meus jogadores. Foi uma pura manifestação de racismo contra dois profissionais que estavam ali trabalhando de forma honesta. É condenável e a federação têm que tomar alguma providência com relação ao que tudo que ocorreu com Ezequiel e o Bogé", disse, sem esconder sua irritação com a atitude dos torcedores.

Procurado pela reportagem de A Gazeta, o presidente do Sinop, Altair Cavaglieri, não foi encontrado para comentar o assunto. Já o do Operário, Wendel Rodrigues, estava em viagem, mas já estuda medidas para representar o clube de Sinop.

O presidente da Federação Mato-grossense de Futebol (FMF), Carlos Orione, lamentou o ocorrido prestando solidariedade aos jogadores tricolores. Segundo o dirigente, a entidade tomará ciência da acusação e se for constatado o que foi relatado por Éder Taques, o Sinop responderá pelos atos do grupo de torcedores.

Orione lembrou que caso de manifestação racista é combatida com veemência na Europa. "O clube chegar a perder mando de campo, disse.

Fonte: A Gazeta

15 de outubro de 2009

Equipe muçulmana que se negou a jogar com gays é excluída do torneio

PARIS, França — O clube muçulmano de futebol Créteil Bebel, que se negou a jogar no início do mês contra uma equipe de jogadores homossexuais, o Paris Foot Gay, foi excluído excluído nesta quarta-feira do torneio, segundo um comunicado das autoridades do futebol amador francês.

A recusa do Créteil Bebel de enfrentar o Paris Foot Gay (PFG), que denunciou uma atitude homofóbica, provocou muita polêmica na França.

"Devido ao nome de sua equipe e de acordo com nossos princípios, não podemos jogar contra vocês", afirmava um e-mail enviado pelo Créteil Bebel ao PFG na véspera da partida, que aconteceria no último dia 4.

"Nossas convicções são muito mais importantes que uma simples partida de futebol", completa o texto.

O PFG pediu à liga CFL que punisse o Créteil por uma decisão que considera "homófoba e muito chocante". Além disso, ameaçou com um processo judicial se seguir por este caminho, nas palavras do presidente do Paris Foot Gay, Pascal Brethes.

Zahir Belgharbi, dirigente do Créteil Bebel, rebateu as acusações e afirmou que o problema está no nome do PFG.

"Não sou homófobo, não sou integrista, não me incomoda jogar com gays, e sim com um clube que tem este nome", declarou Belgharbi.

"Nós nos esforçamos para ser neutros, não nos chamamos por exemplo Futebol Clube Islâmico. Por quê os outros querem levantar a bandeira de uma ideologia? A única coisa que eu quero é jogar futebol", completou.

O PFG respondeu que não é um clube reivindicativo e sim uma associação que luta contra a homofobia no futebol, aberta a heterossexuais e homossexuais, na qual jogam negros, brancos, árabes, de todas as religiões.

Fonte: AFP

Senado e Câmara dos Deputados lançam portal para fiscalizar gastos com a Copa de 2014

Na última terça-feira, a Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016 anunciou o lançamento de um portal na internet para realizar o controle, a fiscalização e o acompanhamento dos investimentos públicos que serão realizados no Mundial de futebol. A ferramenta é uma parceria entre Senado e Câmara dos Deputados.

A ideia é que o portal seja lançado em novembro de 2009, e que contenha, em uma segunda fase, informações referentes aos gastos do governo federal e dos governos estadual e municipal do Rio de Janeiro relativas à Olimpíada.

“Esse portal representa um importante instrumento de controle dos gastos públicos”, comentou Renato Casagrande (PSB-ES), presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), à qual a subcomissão está subordinada.

De acordo com o senador Cícero Lucena (PSDB-PB), presidente da subcomissão, os eventos representam a oportunidade de o Brasil assumir papel de protagonista no cenário mundial e que, com a criação do portal, a sociedade brasileira terá "um mecanismo importante" para acompanhamento dos gastos da administração federal.

Segundo o consultor de fiscalização da CMA, Hipólito Gadelha Remígio, responsável pela organização da ferramenta, haverá a possibilidade de acesso do cidadão às informações por meio de diferentes vias, podendo também apontar irregularidades.

"O cidadão poderá identificar a ação e terá um campo para preencher a denúncia, que poderá ser encaminhada ao tribunal de contas apropriado”, explicou Remígio.

Fonte: Universidade do Futebol

Como se isso fosse evitar os desvios e irregularidades envolvendo os recursos públicos... Balela!

14 de outubro de 2009

Leste Europeu é palco para acompanhamento de casos de racismo no futebol

A preocupação da Uefa com os casos recorrentes de racismo envolvendo torcedores e atletas de futebol nos campos rendeu a criação de um grupo voltado para estudos específicos sobre a temática. E a partir deste mês de outubro, as ações se estabeleceram também a partir de uma região pontual: o Leste.

Em Varsóvia, capital da Polônia, começou o funcionamento do Centro de Monitorização Anti-Racismo do Leste Europeu, que irá monitorar, pesquisar e documentar casos de discriminação racial verificados na região onde se incluem os países organizadores da próxima edição da Eurocopa - Polônia e Ucrânia.

“O crescimento do significado social do futebol nesses países na antecâmara do Euro-12 constituiu uma excelente oportunidade para destacar a pertinente questão do racismo e da xenofobia no Leste Europeu”, apontou o sociólogo Rafal Pankowski, coordenador do projeto.

“O nosso ponto de partida será o racismo no futebol, mas o vemos dentro de um contexto mais global de discriminação na sociedade em geral”, acrescentou o coordenador adjunto, Jacek Purski, ainda em entrevista ao site ofial da Uefa.

O centro é parte integrante de um projeto de desenvolvimento da Fare (Rede Pan-Europeia Contra o Racismo no Futebol) nessa localidade, que terá a duração de três anos e contará com fundos da entidade que comanda o futebol no Velho Continente.

Dentre outras frentes, esse financiamento provirá das receitas do licenciamento das transmissões da principal competição entre seleções da Europa. O sindicato dos jogadores (FIFPro), que, juntamente com a Uefa e a Fare, organizou a conferência “Unidos Contra o Racismo”, no mês de março, também apoia a iniciativa.

Os alvos centrais são apoiar a preparação do torneio e de atividades anti-discriminação, a partir de programas de formação, comunicação e parcerias com organismos governamentais, comitês locais e cidades anfitriãs, e trabalhar em conjunto com comunidades de minorias étnicas: uma forma de combate à essa aversão social e de aumentar a a visibilidade dos programas da Fare.

Por fim, busca-se a construção de uma base de recursos capaz de suportar no Leste Europeu, em longo prazo, outras campanhas desse sentidopor intermédio do futebol - Romênia, Bulgária, Rússia, Bielorrússia e Moldávia também fazem parte da empreitada.

Fonte: Universidade do Futebol

Uefa promete revelar o maior caso de corrupção do futebol

Em novembro, a Uefa declarou que irá revelar o maior esquema de corrupção do esporte. Karl Dhont, comissário da entidade máxima do futebol europeu está à frente das investigações e disse ao jornal holandês Het Algemeen Dagblad que já foram detectadas irregularidades em quase todos os torneios do continente.

De acordo com o comissário, a declaração afetará muitos nomes importantes do futebol europeu. Além de achar fraudes em jogos da Copa dos Campeões e da Liga Europa (antiga Copa da Uefa), campeonatos nacionais do leste, sul e oeste europeus também teriam irregularidades.

Por meio de alguns indícios que apontavam para a compra de alguns resultados, a Uefa garantiu o auxílio da Interpol (que possui a cooperação de de inteligências de quase todos os países do mundo) para investigar os casos.

Os casos a serem revelados teriam como base apostas que envolveriam os jogos. Segundo o comissário, após o acerto dos últimos detalhes, o relatoria será levado ao conhecimento público.

Fonte: Universidade do Futebol

10 de outubro de 2009

A melhor noticia nos últimos tempos: "Paulo Wágner não é mais presidente do Ferroviário"

Agora é oficial. O Ex/Presidente do Ferroviário, Paulo Wágner, entregou o seu cargo ao Presidente do Conselho Deliberativo do Ferroviário em um almoço na tarde de hoje. Além dele, o vice Renato Rocha também renunciou ao seu cargo. Com isso haverá uma nova eleição ainda esse ano para definir que será o novo presidente do clube até o fim do ano que vem.

Enquanto isso, mais absurdos da gestão Paulo Wágner continuam aparecendo. A situação do clube é crítica no sentido de que apenas três jogadores continuam com contrato. Todos os outros 96 que tinham contrato com o Ferroviário no início da Série D, rescindiram os seus contratos.

Ainda hoje acontecerá uma reunião entre os membros da AAFAC e alguns nomes interessados em compor a nova diretoria do clube. A intenção é tomar conhecimento da atual situação do clube e traçar metas para o futuro do Ferroviário.

Fonte: Blog Canal Ferrão

Agora é juntarmos o que restou do nosso Ferrão e, de forma coletiva e democrática, reerguermos nosso amado clube. Que venham dias melhores! (LVC)

Agora podemos voltar a sorrir, e esperar que o Amanhã seja melhor, que os bons ventos voltem a soprar na barra pois queremos renovação no Ferroviário Atlético Clube. (Yuri Fontela)

9 de outubro de 2009

Evolução Homo bola

Parece que foi ontem…trocamos o tacape pelas foices,
martelos e estrelas, bombas pessoais e rojões atômicos
para logo abandoná-los em troca da bola…
No princípio foi o verbo: me faça isso, me faça aquilo…
e logo surgiram o trabalho & os cartolas
disso ninguém duvida
Mas a seguir rolou o substantivo bola
invadindo a área
e o jogo estava feito…entende?


ORA BOLAS
(reprise…)

O JUIZ APITA
…NA BASE DE BICUDOS E TRIVELAS
TEM INÍCIO A LUTA DE CLASSES
O PODER É ROLIÇO, PERFEITO
SEM ARESTAS ROLA, SOBE, MORRE NO PEITO
E DESCE NO GRAMADO
NA DIALÉTICA DANÇA DO FUTEBOL
GOOOOOLL.

A GALERA CONTRÁRIA VIBRA!
ENTRETANTO, OUVI DIZER
QUE QUEM GANHA MESMO
( E SEMPRE )
É O DONO DO JOGO…
E, ENTÃO?

SALUDOS HERO

Hélio Rola

8 de outubro de 2009

Paulo Wágner entregará carta renúncia essa semana

O Presidente do Ferroviário, Paulo Wágner, deverá estar entregando a sua carta renúncia ao Conselho Deliberativo do clube ainda esta semana.

Após muitos conflitos com diretores, uma gestão conturbada marcada por falta de compromisso para com o clube e prestação de contas obscuras, o atual presidente do Ferroviário se viu completamente só e com isso estará deixando o cargo.

Com isso, já acontecem nos bastidores reuniões com interessados em assumir a presidência. A intenção é formar um grupo coeso de diretores que possa dar uma nova vida ao clube que praticamente começará do zero.

Enquanto Paulo Wágner não sai, existem muitas especulações, onde as principais dão conta de que o clube não tem mais praticamente nenhum jogador. Muitos atletas que eram da base coral tiveram parte de seus direitos contratuais vendidos a diversos empresários.

Independente de quem assumir o clube, terá uma complicada missão pela frente. Muito bom seria se estes fizessem uma auditoria nas contas do clube para saber onde foi parar o dinheiro das negociações de atletas que até hoje o presidente não esclareceu.

Mesmo assim a saída do Presidente Paulo Wágner é hoje o melhor para o Ferroviário. Com isso será possível a entrada de uma diretoria compromissada com o clube, gerida profissionalmente, que conseguirá a médio-longo prazo fazer um Ferroviário melhor para a sua torcida.

Fonte: Blog Canal Ferrão

Vai tarde...

7 de outubro de 2009

Time de futebol muçulmano francês se recusa a jogar contra gays

PARIS - Um time de futebol muçulmano amador gerou polêmica na França ao se recusar a jogar contra um clube que apoia os direitos homossexuais e tem jogadores gays. O time Creteil Bebel faltou à partida marcada contra o Paris Foot Gay (PFG) no final de semana, dizendo que vai contra suas crenças religiosas jogar contra homossexuais. O PFG disse que irá processar o Creteil Bebel por homofobia. "Fomos insultados no passado, mas este tipo de coisa nunca aconteceu", disse à Reuters Pascal Brethes, presidente e co-fundador do PFG. O Creteil Bebel defendeu sua ausência dizendo que suas convicções religiosas são muito mais importantes do que qualquer evento esportivo. "Como muçulmano, tenho o direito de não jogar contra homossexuais porque não compartilho suas ideias", disse Zahir Belgarbi, um dos diretores do time, à rádio France Bleu. O PFG foi criado em 2003 para lutar contra a homofobia, que existe em alguns subúrbios ao redor de Paris, onde o time atua. Grupos de direitos humanos e anti-discriminação saíram em defesa do PFG e autoridades municipais também se envolveram na disputa. "A cidade de Paris será inflexível quando confrontada por ataques a seus princípios e continuará a lutar com determinação contra todos os atos de discriminação", disse a municipalidade em um comunicado.

(Reportagem de Elizabeth Pineau)

Fonte: Reuters

Por Pan, TCU condena membro da Rio 2016 a devolver R$ 18,4 milhões

Do site ESPN.com.br

Apenas quatro dias depois do anúncio do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, a cidade vê publicamente a notícia de que Ricardo Leyser Gonçalves, um dos membros de seu Comitê de Candidatura, foi condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) a devolver R$ 18,4 milhões aos cofres públicos por irregularidades nos Jogos Pan-Americanos de 2007.

Indicado pelo ministério dos Esportes para fazer parte do grupo, Leyser Gonçalves é integrante do PC do B, da alta cúpula da pasta desde o início do governo Lula, em 2003, e considerado pelo TCU um dos responsáveis por supostas irregularidades nos gastos com o evento ocorrido há dois anos. Ele foi condenado em junho por dois processos de denúncias de superfaturamento e pagamento por serviços não prestados, mas nega as acusações e diz ter recorrido, como publica nesta terça-feira o jornal “O Globo”.

Leyser foi o responsável por toda a coordenação dos investimentos federais no Pan e tornou-se o braço direito do ministro Orlando Silva. No primeiro caso, que soma R$ 2 milhões, o TCU viu indícios de superfaturamento em serviços de hotelaria e montagem da Vila do Pan. No segundo, em que cobra a devolução de R$ 16 milhões, o Tribunal culpa Leyser, seu assessor Luiz Custódio de Freitas e a Fast Engenharia e Montagens S/A por irregularidades na construção de estruturas provisórias.

“São processos antigos. Ressucitar isso parece um movimento encomendado para me atingir. Pode haver gente incomodada com a vitória do Rio ou preocupada com o papel que vou assumir na organização das Olimpíadas”, defendeu-se Leyser.

6 de outubro de 2009

Rio de Janeiro 2016: previsões para os jogos


A vitória do Brasil em Copenhague provocou uma avalanche de felicidade jornalística. A festa do Rio em 02/10/2009 tem merecido destaque em Portais de Internet, Rádios, TVs. Os jornais e revistas, mais lentos, surfarão esta onda de felicidade durante a próxima semana. Só com meus botões eu só consegui ficar preocupado. Aqui meu exercício de futurologia.

A vitória do Rio será interessante apenas para quem administrará o evento e para aqueles que construirão as obras necessárias. As obras custarão duas ou três vezes mais que deveriam e muitos políticos receberão comissões estonteantes.

Um ou dois anos antes das Olimpíadas o Caveirão (nome popular da viatura do BOPE) vai começar a visitar regularmente as favelas para regularmente fazer cadáveres. Antes dos Jogos Panamericanos o BOPE fez centenas de vítimas. As Olimpíadas são mais importantes, portanto, acarretarão mais vítimas. Ninguém deve ficar surpreso se entre 2013 e 2016 o BOPE executar mais de 10.000 pessoas.

A Rede Globo comprará os direitos de transmissão por um valor ridículo e abocanhará bilhões vendendo o sinal às outras estações de radiodifusão. Os brasileiros aparecerão alegres em TV, mas não receberão um centavo de direito de imagem.

E por falar de povão. O povo brasileiro trabalhará muito para pagar os impostos que erguerão as obras, proporcionarão os lucros e as comissões ilegais, mas ficará contente por realizar os Jogos Olímpicos. A ilusão do evento compensará a vida dura plena de carências dos 180.000.000 de brasileiros que controlam apenas 25% da riqueza nacional.

No fim de 2016 os brasileiros ricos estarão mais ricos que nunca. Os cariocas pobres que sobreviverem as investidas do BOPE continuarão na merda, mas estarão mais contentes. O sistema brasileiro que proporciona miséria e concentração de renda rejuvenescerá, mas ficará intacto.


Fábio de Oliveira Ribeiro
sithan@ig.com.br